Rodrigo Dias defende gestão com transparência

Presidente da Câmara fala sobre a gestão do Legislativo para o biênio 2017/2018

Comentar
Compartilhar
13 MAR 2017Por Diário do Litoral09h59
Presidente da Câmara de Itanhaém fala sobre a gestão do Legislativo para o biênio 2017/2018Presidente da Câmara de Itanhaém fala sobre a gestão do Legislativo para o biênio 2017/2018Foto: Matheus Tagé/DL

Vereador mais votado na eleição de 2016, Rodrigo Dias (SD) assumiu a presidência da Câmara de Itanhaém com a ideia de resgatar a credibilidade e trazer transparência aos atos do Legislativo. 

O parlamentar do Solidariedade está somente no seu segundo mandato. No entanto, ele já assumiu a função de 1º secretário da Câmara no último biênio e garante que a experiência foi válida para seguir com os acertos e aprender com os erros na hora de exercer a nova função.

Eleito por unanimidade, Dias aposta no bom relacionamento com Executivo, mas sem deixar de fiscalizar os atos do prefeito Marco Aurélio Gomes (PSDB) e seus secretários. Além disso, o presidente da Câmara demonstra uma preocupação especial com a questão do emprego no município.

Diário do Litoral - Quais as prioridades da Mesa Diretora para o biênio 2017/2018?
Rodrigo Dias –
A nova legislatura é pautada pelo resgate da nossa Câmara. O resgate da credibilidade, que passa pelo momento político do nosso País. Estamos trabalhando incansavelmente neste tipo de proposta. Nós criamos, com o objetivo de implantar agora, a Câmara Interativa, que envolve vários projetos. Primeiro, estamos pautando, no próximo mês, o fim da sessão secreta. Uma coisa que o momento pede. Ter credibilidade e transparência. Também conversamos com o secretário de Educação para implantar visitas ao Legislativo. Trazer crianças de escolas, com idade entre 14 e 16 anos, para começar a ter esse interesse público, interesse de conhecer as funções do Legislativo. Estamos montando também a Câmara em debate. Realizar reuniões em associações ativas como a Associação Comercial, a OAB, e debater temas específicos para cada associação. Nós também estamos criando uma agenda de audiências populares e trazer para a Câmara os serviços públicos. Por exemplo, os Correios. Saber porque ele não chega em determinado, porque o atendimento é desta forma. DER também, saber porque Itanhaém não constrói passarelas. Trazer temas neste sentido. Também há o Câmara Mirim, nos moldes do Câmara Jovem do Legislativo de Santos. São alguns projetos que vamos implantar. 

DL - Como foi a construção da candidatura à presidência? 
Dias –
A eleição do prefeito Marco Aurélio teve uma margem expressiva, com 77% de aprovação. Eu venho da reeleição. Fui 1º secretário no último biênio, do presidente Tiago Cervantes. Eu sou presidente do Solidariedade e nossa plataforma de campanha conseguiu eleger três dos dez vereadores. Já tínhamos 30% da Câmara. E com esse acesso, a conversa, o bom diálogo, e a com a Câmara reelegendo cinco vereadores, eu já tinha contato com mais quatro. Fomos conversando, dialogando e fazendo a proposta de transparência e do trabalho da Mesa Diretora. Todos trabalhando em prol da comunidade. Os vereadores foram aderindo à nossa campanha para presidente. Foi um momento histórico na cidade porque foi a primeira vez que 100% da Câmara votou no mesmo nome para ­presidente.  

DL – O senhor era o 1º secretário da última legislatura e foi o vereador mais votado. Sua eleição para a presidência é uma continuação da última legislatura?
Dias –
A experiência serviu para muita coisa. Mas onde a gente não acertou, temos por ­obrigação corrigir e já colocar projetos que sejam impactantes para você também ter o seu nome marcado como presidente. ­Continuidade, não. Mas você enxergar como foi feito e tentar, nos erros e nos acertos, fazer o melhor.

DL - Que ações deve se esperar da Câmara neste momento de crise? 
Dias –
Estamos um bom diálogo com o Executivo. Estamos trazendo na Câmara, semanalmente, dois secretários, pasta por pasta, para questionar onde estão sendo gastos os recursos e fiscalizando o Executivo. Enquanto Câmara, também estamos tendo ações de redução de gastos, de custos e otimizando. Além de manter o gabinete aberto à população. Tanto o presidente quanto os demais ­vereadores.

DL - A nova composição da Câmara elegeu somente partidos coligados ao prefeito Marco Aurélio Gomes. É possível dizer que esta é uma legislatura sem oposição? 
Dias –
Pelo contrário. Hoje, percebemos que foram eleitos e reeleitos vereadores bem preparados para atuar no cargo. Existem vereadores que já eram secretários, que conhecem o lado do Executivo na questão de projetos. Eles estão bem preparados e os reeleitos também. Mas isso não significa que não exista oposição. Inclusive, temos visto nas sessões debates intensos porque o conhecimento é muito maior. A gente já conseguiu atingir, em pouco mais de quatro semanas, mais de 200 indicações e 45 requerimentos. São números ­expressivos que mostram a fiscalização. Vamos debater e escolher projetos importantes para a população.

DL - Como o senhor espera que seja a relação com Executivo?
Dias -
 O bom relacionamento nós entendemos que as reivindicações dos vereadores, que são os canais diretos com a população, sejam levadas e elas retornarem à população. Esse é o bom relacionamento que entendemos. Atuamos, permanentemente, marcando reuniões com o prefeito, com os secretários, levando demandas, reivindicações, preocupações, para que sejam executadas.

DL - O que deverá nortear a pauta política do Legislativo? 
Dias –
A grande preocupação que temos no município é a questão do emprego. Temos que debater incentivos, possibilidades de trazer empresas porque o desemprego vai ficar muito grande. É uma preocupação muito grande desta casa e a gente vai levar essa demanda, permanentemente, ao prefeito.

DL - O que a população de Itanhaém deve esperar do senhor como presidente da Câmara?
Dias –
Compromisso com a nossa cidade, muito trabalho, dedicação, transparência e, principalmente, estar junto com a população nos seus anseios.