Rio Água Branca transborda e interdita Rodovia Presidente Dutra

Os patrulheiros rodoviários federais informam que a chuva forte pode arrastar a ponte que corta o rio.

Comentar
Compartilhar
11 JAN 201300h07

A Rodovia Presidente Dutra está fechada há mais de duas horas nos dois sentidos, altura do distrito de Engenheiro Passos, em Resende (RJ), devido a uma tromba d'água que atingiu a região. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), que está com duas equipes no local, o Rio Água Branca transbordou e não há previsão de liberação das pistas.

Os patrulheiros rodoviários federais informam que a chuva forte pode arrastar a ponte que corta o rio. Por medida de segurança, a PRF fechou, também, a pista na altura do quilômetro 316, em Itatiaia, onde os motoristas podem aguardar a melhora nas condições do tempo para seguir viagem ou retornar para São Paulo.

Em Angra dos Reis, no sul fluminense, está chovendo forte desde as 17h,  causando estragos por toda a cidade. A Defesa Civil Municipal informa que não foram registrados desabamentos e nem vítimas, mas há muitas quedas de árvores e deslizamentos próximos à Rodovia Rio-Santos (BR-101 Sul) e alagamentos nos bairros Parque Mambucaba e Japuíba.

Na altura do bairro-distrito de Monsuaba, também em Angra dos Reis, uma barreira deslizou invadindo a rodovia, que ficou temporariamente interditada. O trânsito no local está em sistema “pare e siga”, com máquinas do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) executando a desobstrução. Na altura do bairro do Portogalo, duas árvores caíram na pista e tiveram de ser cortadas por agentes da Defesa Civil Municipal.

Nas últimas horas, a Defesa Civil enviou cerca de 4,9 mil alertas via SMS para telefones cadastrados, com orientações de segurança para a população. O conselho é para procurarem local seguro, caso identifiquem risco de deslizamentos ou alagamentos. A medida é preventiva e faz parte do plano de ação do órgão em caso de enxurradas.

Os bairros mais atingidos por alagamentos foram Mambucaba, Vila Histórica, Belém, Japuíba, Campo Belo, Itinga e Serra D'Água. Nos dois últimos, foi necessário retirar pessoas de algumas casas e abrigá-las junto a parentes ou amigos. Houve deslizamento de terra na Japuíba e nos morros do Abel e da Carioca, sem vítimas.

Por causa de forte ventania, houve queda de árvores em vários locais, como Banqueta, Japuíba, Bracuí, Camorim, Itinga, Ribeira, Pontal, Mambucaba e no centro da cidade. A rede elétrica foi atingida e danificada em alguns dos bairros, podendo haver interrupções no fornecimento de energia.

De acordo com a Defesa Civil, a chuva forte - típica do verão -  deve continuar nas próximas horas. Todo efetivo continua em estado de alerta e no gabinete especial de Gerenciamento de Operações, secretários municipais e a prefeita Conceição Rabha, que acaba de chegar do Rio de Janeiro, monitoram a situação e mobilizam recursos e infraestrutura para atender aos locais mais atingidos.

Até o início da noite de hoje, a Prefeitura de Angra contabilizava 404 pessoas desabrigadas, 93 delas instaladas nos quatro abrigos montados pelo município em escolas. Mais 440 continuam desalojadas. A Defesa Civil Municipal interditou de forma definitiva 100 residências e há 453 vistorias em andamento.