Reunião discute travessia para automóveis entre Vicente de Carvalho e Santos

Medida vem sendo defendida pelo presidente do legislativo guarujaense, como solução imediata para saturação do sistema do Ferry Boat

Comentar
Compartilhar
13 JUN 2019Por Da Reportagem19h00
Hoje, no local, há somente travessia para pedestresFoto: Paolo Perillo/Arquivo DL

O presidente da Câmara Municipal de Guarujá, Edilson Dias (PT), esteve na manhã desta quinta-feira (13), na Secretaria Estadual de Logística e Transportes, em São Paulo, onde foi recebido pelo diretor-presidente da Dersa, Milton Persoli, e pelo chefe de gabinete, Jorge Tadeu Mudalen, além de técnicos do órgão. O encontro foi mediado pelo deputado estadual Ênio Tatto (PT).
 
Na pauta, os recorrentes problemas nas travessias, tanto de pedestres como de veículos, e a possibilidade de criação de uma segunda travessia para automóveis, em Vicente de Carvalho, com desembarque no Centro de Santos.
 
Segunda travessia

A medida vem sendo defendida pelo presidente do legislativo guarujaense, como solução imediata para mimimizar os transtornos sofridos pela população.
 
"Tendo em vista a saturação dos sistemas existentes e os impasses que ainda envolvem a ligação seca, é preciso oferecer uma solução objetiva, que desafogue esse fluxo de forma emergencial. No mais, a situação só tende a piorar", expôs Edilson Dias.
 
Ele também cobrou explicações e, sobretudo, prazos em relação às embarcações que permanecem fora de operação. "Os usuários não podem ser penalizados por conta de problemas gerenciais da Dersa. É preciso haver um serviço de manutenção mais eficiente, que garanta uma quantidade razoável de embarcações em operação", enfatizou.
 
Compromisso

Os representantes da Dersa se comprometeram a avaliar a proposta apresentada pelo presidente da Câmara Municipal de Guarujá e, também, de discutí-la com outros órgãos envolvidos na questão, a exemplo da Codesp, Capitania dos Portos e das prefeituras de Guarujá e Santos.
 
Com relação às embarcações que estão fora de operação, foi informado que o problema mais grave ocorre com as barcas que atendem aos pedestres. De cinco existentes, três estão em manutenção.
 
Ainda assim, eles garantiram que em breve voltarão a operar normalmente e convidaram o presidente a visitar os estaleiros onde são realizados os serviços - o que deve ocorrer ainda nesta sexta-feira (14).

Colunas

Contraponto