Retirada de árvores para obras do VLT revolta moradores

Prefeitura alega ter recebido doação de 2.820 mudas

Comentar
Compartilhar
26 MAR 201410h29

Elas não eram só bonitas. Elas não eram apenas generosas pelas sombras nos dias de verão. Elas não eram somente o ponto de encontro de diversos tipos de pássaros, cujos cantos alegravam os moradores de bairros como Marapé, Campo Grande e José Menino. Elas eram também parte da história da Cidade. E elas estão ameaçadas.

As vítimas citadas acima são árvores, algumas bem antigas, que estão sendo retiradas no percurso onde passará o sistema de Veículos Leves sobre Trilhos (VLT), modal que ligará, em sua primeira etapa, São Vicente a Santos. Moradores estão revoltados por presenciarem a constante retirada dessas espécies.

A retirada e o corte de árvores foram flagrados ontem pela Reportagem em alguns pontos, como no trecho da Avenida Francisco Glicério, nas proximidades da esquina da Avenida Washington Luiz (Canal 3). E foi um corte recente pelo que se vê no contêiner cheio de raízes e folhas, colocado no canteiro da obra.

Já na Rua Gaspar Ricardo, no Marapé, a “mutilação” das espécies é gritante e pode ser vista perto da esquina da Avenida Pinheiro Machado (Canal 1). Duas árvores, uma um pouco mais velha e outra nova — ambas bem verdes —, tinham sido arrancadas, para o desgosto do jornalista José Luiz Lousada. “Tiraram hoje pela manhã”, revoltou-se.

 Nessa avenida, perto do Canal 3, foram retiradas algumas espécies (Foto: Luiz Torres/DL)

Segundo Lousada, a retirada das espécies começou no fim de dezembro. “Não sei qual é o critério usado para a retirada. Podem arrancar árvores nativas? Ou só as outras, que não são nativas?”

O “sumiço” das árvores no percurso por onde passará o VLT está sendo muito comentado nas redes sociais, especialmente no Facebook. Uma das preocupações dos internautas é com as duas árvores bem antigas — ainda preservadas — na Francisco Glicério, nas proximidades da Avenida Ana Costa. A Reportagem constatou, no começo da tarde de ontem, que há uma montanha de pedras de obra perto dessas duas árvores.

Ministério Público

O vereador Benedito Furtado (PSB) preparava uma representação, na tarde de ontem, para entrar hoje com pedido de averiguação no Ministério Público. Ele foi alertado por moradores, que lhe enviaram e-mails e o questionaram em sua página no Facebook.

Furtado também está cheio de dúvidas com relação ao caso. “Há um plano de manejo para as árvores? Se existe, ele não veio a público. Só sei que estão cortando árvores adoidado”.

O parlamentar entende que a Prefeitura deveria estar acompanhando o caso atentamente. “A Administração tem de acompanhar isso de perto. Pelo jeito, esses cortes vão continuar. Sinto uma falta de diálogo por parte desse pessoal que está tocando as obras do VLT”.

Prefeitura admite retirada

Questionada pelo Diário do Litoral, a Prefeitura de Santos admitiu a retirada de 218 árvores  no trecho em obras do VLT. Segundo a Secretaria de Comunicação e Resultados (Secor), “duas grandes obras, a Avenida Perimetral e o VLT, renderam à Cidade a doação de 4.868 novas árvores pelas empresas responsáveis pelos serviços”. 

De acordo com a nota enviada à Redação, “a doação segue o que determina o Código de Posturas do Município, que em seu Artigo 229 diz que para cada árvore retirada, cinco devem ser plantadas”.

No que se refere exclusivamente ao VLT, “ao longo do trecho em obras existem 887 árvores, das quais 346 serão replantadas e 218 suprimidas”. O consórcio responsável pelos trabalhos (das empresas Queiróz Galvão e a EMTU) doou 2.820 mudas para a Cidade. Já em relação à Avenida Perimetral, a doação foi feita pela Codesp.

A Secor explica que as áreas escolhidas para o plantio das mudas seguem vários critérios, entre os quais priorizar as regiões onde há maior carência de cobertura vegetal.

No caso das mudas do VLT, a maioria está sendo plantada na Zona Noroeste, em bairros como o Chico de Paula, São Manoel, Santa Maria, Bom Retiro, São Jorge, Castelo e Rádio Clube. Já na Zona Leste, a prioridade tem sido o José Menino, Macuco, Estuário e Ponta da Praia.  

As mudas doadas pelas obras na Avenida Perimetral estão sendo plantadas em toda a Cidade, seguindo a programação do Viva o Bairro.