Reorganização do Hospital dos Estivadores aumentará a oferta de leitos

A revisão do projeto do Estivadores vai permitir economizar R$ 677 mil do custo da reforma da primeira fase

Comentar
Compartilhar
08 MAR 201320h46

A população santista vai ganhar mais 120 leitos hospitalares por meio de convênios com a Santa Casa e Beneficência Portuguesa. O anúncio foi feito na desta sexta-feira (8), pelo prefeito Paulo Alexandre Barbosa, durante coletiva à Imprensa sobre o Hospital dos Estivadores, da qual participou também o secretário de Saúde, Marcos Calvo.

O projeto da primeira fase de reforma do hospital passará por revisão, por terem sido detectados problemas estruturais, o que impede a reabertura da unidade este ano. Além disso, a revisão do projeto do Estivadores vai permitir economizar R$ 677 mil do custo da reforma da primeira fase, iniciada setembro de 2012.

De acordo com o prefeito, a unidade não foi reaberta por problemas no projeto estrutural e também pela falta do LTA (Laudo Técnico Arquitetônico), que tem como base resoluções da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). "A decisão foi tomada após análise das equipes técnicas das secretarias de Saúde e Infraestrutura e Edificações", disse o prefeito.

O secretário Marcos Calvo mostrou os problemas encontrados no projeto. "Havia falhas de concepção de projeto, em especial relacionadas à UTI neonatal, atendimento de emergência obstétrica e internação nas enfermarias de alojamento conjunto (maternidade), demandando a revisão nos projetos".

Além disso, seria incompatível manter o hospital aberto e continuar com a reforma pela inviabilidade de funcionamento dos três andares em reforma atualmente com o restante da obra do hospital. Além disso, as condições sanitárias oferecidas aos pacientes internados não poderiam ser garantidas com uma obra no restante do prédio.

"Destacamos que condições insalubres, como suspensão aérea de partículas sólidas, poderiam comprometer o rigoroso controle de infecção hospitalar. Haveria ainda desconforto para pacientes com problemas respiratórios e de restabelecimento pós-cirúrgicos", enumerou o secretário Marcos Calvo.

Foi verificada ainda a necessidade da demolição de uma viga invertida (reforço estrutural), não prevista no projeto original. A intervenção provocaria ruídos além dos permitidos em lei e vibração da estrutura, inclusive nos andares que se encontram em reforma.

E para o funcionamento dos três andares em reforma será necessária a realização de serviços que futuramente deverão estar integrados ao restante da obra. Entretanto, estes serviços - rede de gases (oxigênio, ar comprimido e vácuo), sistema de ar condicionado e instalações elétricas, não estavam previstos, impossibilitando a reabertura do hospital.

O projeto da primeira fase de reforma do hospital passará por revisão (Foto: Divulgação)

Convênio

Pelo convênio com a Santa Casa serão disponibilizados mais 42 leitos para internação, outros 30 de internação de longa permanência e ampliação de mais 20 de UTI adulto. Já com a Beneficência Portuguesa, será assinado novo convênio de contratualização de mais 28 leitos de internação em enfermaria, em até 90 dias.

No total, serão 100 leitos de enfermaria e mais 20 de UTI. O projeto inicial para o Hospital dos Estivadores previa a abertura de 70 leitos de enfermaria.