Região concentra maior abandono de carros velhos

Desde o início da Operação, em julho de 2014, a CET já retirou 819 veículos das ruas e avenidas do Município

Comentar
Compartilhar
10 ABR 201512h00

Os bairros do Macuco e Estuário, em Santos, são identificados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) como os principais escolhidos para o abandono de carros velhos.
Desde o início da Operação Lata Velha, em julho do ano passado, a empresa já retirou 819 veículos nas ruas e avenidas do Município, sendo 125 desses no Macuco e 77 no Estuário.

Somente de janeiro a março deste ano foram constatados 269 veículos abandonados, sendo que, até o começo de abril, 143 foram removidos pelos proprietários após notificação por telegrama ou pelo Diário Oficial do Município.

A CET tem recebido em média 7 denúncias por dia de abandono de carros. Elas estão sendo encaminhadas pelo número 0800-7719-194, de segunda a sexta-feira, das 8 às 16h30. 

Além de receber informações sobre os locais de descarte por esse telefone, a empresa garante que operadores de trânsito monitoram toda a Cidade em busca de carros sem condições de trafegar.

Dono de carros abandonados são notificados por telegrama e pelo Diário Oficial (Foto: Matheus Tagé/DL)

Quando uma denúncia de veículo abandonado chega à CET, ele passa a ser vistoriado diariamente por 15 dias ininterruptos para verificar se o carro pode ser caracterizado como abandonado. Tenta-se, então, contato com o proprietário do veículo.

O dono de um carro abandonado recebe notificação por telegrama e pelo Diário Oficial do Município. A partir daí, ele tem até 48 horas para remover seu veículo. Se ele não cumprir esse prazo, tem o carro guinchado pela CET. Quando é caracterizado que o veículo está em estado de sucata, o prazo para a retirada se reduz para cinco dias.

Fiscalização

É comum ver carros em estado de sucata nas ruas onde funcionam oficinas mecânicas, mas a empresa diz não ter um monitoramento específico para esses locais.

Os carros em estado de sucata estão sujeitos a uma multa de R$ 1 mil, lavrada pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semam) desde a implantação do Programa Cidade sem Lixo.