Queda no preço do álcool na Baixada é incerto

Presidente do Resan, José Camargo Hernandes diz que preço sobe e desce

Comentar
Compartilhar
07 FEV 201322h41

Apesar da queda no preço do álcool combustível nas bombas para o consumidor final da Baixada Santista, o cenário para uma queda progressiva ainda é impreciso, segundo a avaliação do presidente do Sindicato dos Postos de Combustíveis, Lava-rápidos e Estacionamentos de Santos e Região (Resan), José Camargo Hernandes.

Hernandes explica que há 15 dias houve queda no preço do álcool comprado das distribuidoras, porém, nos últimos dez dias, o preço por litro de álcool vendido pelas distribuidoras aumentou R$ 0,20. “Ontem mesmo fiz uma compra e paguei R$ 0,04 a mais pelo litro de álcool. O preço está variando semanalmente. Tem semana que sobe e semana que desce”.

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) divulgou pesquisa semanal ontem apontando que o litro do álcool está custando menos de R$ 1 em 13 cidades do Estado de São Paulo, incluindo a Capital. O menor preço praticado é na cidade de França, no interior, onde o litro do combustível custa R$ 0,939.

De acordo com reportagem publicada na Agência Estado, a tendência de preços baixos deve se manter devido ao início da safra de cana-de-açucar.

Na média nacional, o litro do álcool hidratado está sendo vendido a R$ 1,465, 2,85% menos do que um mês antes. Em relação a dezembro caiu 3,1%. A redução nas bombas, porém ainda é inferior à das usinas: entre a última semana de dezembro e a semana passada, o litro do álcool hidratado vendido pelas usinas ficou 9,3% mais barato.

Nossa reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) que representa usinas de cana-de-açucar do país para confirmar se há uma tendência à queda dos preços do álcool combustível, em virtude da safra, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.

Colunas

Contraponto