X
Cotidiano

Queda nas exportações reduz movimento de cargas no Porto de Santos

A perspectiva é de reversão nesse quadro a partir dos próximos meses com safra recorde de grãos

A movimentação de cargas no Porto de Santos registrou em janeiro declínio de 6,0% / Divulgação

A movimentação de cargas no Porto de Santos registrou em janeiro declínio de 6,0% em relação a 2016. A redução ocorreu pela queda de 16,1% nas exportações, apesar do significativo crescimento de 19,1% nas importações. Com participação de 63,60%  sobre o total geral, a redução no fluxo de embarques influiu de forma decisiva para o  declínio do movimento em janeiro. O recuo verificado em janeiro não inibe, no entanto, as projeções de crescimento para 2017.

O desempenho das exportações, com 4,683 milhões de toneladas,  foi reflexo, principalmente, da redução nas operações de embarque de milho, com retração de 76,6%. Somente o milho representou declínio de 1,3 milhão de toneladas.. A situação decorre da quebra da última safra do milho, ainda em final de escoamento, provocando o declínio também verificado em dezembro.

“O cenário, no entanto é otimista”, analisa o presidente da Codesp, Alex Oliva, lembrando que o Porto de Santos tende a se beneficiar com os resultados positivos da safra de grãos 2016/2017, com estimativa de recorde histórico para o país, num aumento de aproximadamente 15% em relação à safra anterior.

“No geral, considerando ainda análises comerciais, devemos encerrar 2017 com um movimento em torno de 120,933 milhões de toneladas, um aumento de 6,3% em relação a 2016”, conclui Oliva, com forte expectativa de resultados positivos a partir do início do escoamento da soja. Beneficiada pela elevação dos preços,  pela demanda internacional ainda elevada e por condições climáticas mais favoráveis, a safra nacional de soja deve apresentar novo recorde, com crescimento médio estimado de 8,7% .

O complexo soja, apesar de ainda não se apurar um elevado volume nesse início de escoamento da nova safra, já registrou crescimento de 125,2%, atingindo 678,72 mil toneladas, com participação de 485,85 mil toneladas da soja em grão. No auge do escoamento, esse volume deve facilmente superar 3 milhões de toneladas.

Quanto às importações, que participaram com 36,40% do total geral, alcançando  2,680 milhões de toneladas e incremento de 19,1%, foram impulsionadas pelo forte movimento de adubo, a principal carga nesse fluxo, que ampliou suas descargas em 43,8%, seguida pelo bom desempenho nas operações de óleo diesel e gasóleo, atingindo 28,6% de crescimento, com 137,96 mil toneladas.

As operações com contêineres registraram 279,978 mil TEU, apontando aumento de 4,0%. Considerando-se a tonelagem movimentada, o crescimento foi ainda mais expressivo, chegando a 9,3%, com 3,139 milhões de toneladas. O total de contêineres em unidades teve incremento de 3,2% com 132,026 mil unidades operadas.

O número de navios atracados apresentou redução de 8,9% em janeiro, com registro de 360 embarcações.

Balança Comercial

A movimentação de cargas pelo Porto de Santos atingiu o total de US$ 7,4 bilhões, equivalente ao valor comercial dos produtos que transitaram pelo complexo santista no primeiro mês do ano, representando um incremento de 23,3% em relação ao ano anterior. A participação no total nacional de US$ 27,1 bilhões foi, coincidentemente, de 27,1%.

As exportações chegaram a US$ 3,9 bilhões, alcançando crescimento de 34,48% com uma participação de 25,8%. As importações atingiram US$ 3,5 bilhões, aumento de 12,9% sobre 2016 e participação de 28,7% sobre o total nacional.

As exportações pelo cais santista tiveram como principais destinos os portos dos Estados Unidos. China e Argentina, respectivamente. Na liderança, os portos norte-americanos receberam o equivalente a US$ 508 milhões, seguidos por China, com US$ 355 milhões, e Argentina, com US$ 292 milhões. As cargas mais exportadas foram açúcares (US$ 548,646 milhões), principalmente para Bangladesh, café em grão (US$ 383,990 milhões), liderado pelos embarques  para a Argélia e farelo (US$ 214,883 milhões), com destaque para a Indonésia.

Nas importações, China, Estados  Unidos e Alemanha foram, respectivamente, os países que mais embarcaram com destino a Santos. A China liderou com US$ 826 milhões, seguida pelos Estados Unidos com US$ 539 milhões e pela Alemanha com US$ 300 milhões. Gasóleo foi o principal produto descarregado, (US$ 69,954 milhões) liderado pelos Estados Unidos. Caixas de marchas (US$ 56,834 milhões) vêm a seguir, tendo o Japão como principal exportador, e partes para aviões e helicópteros (US$ 52,462 milhões), com destaque para a produção embarcada em Portugal.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Itanhaém

Audiência pública discute propostas sobre zoneamento urbano em Itanhaém

Empresa Geo Brasilis apresentou informações técnicas sobre as características do município

Saúde

Ocupação de leitos de UTI de Covid-19 só aumenta na Baixada Santista

Região ainda não teve um único dia de diminuição de leitos ocupados durante todo o ano de 2022 segundo Seade

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software