Qualidade das praias melhora em quatro cidades da Baixada

Mas, Bertioga e Guarujá mantiveram excelente qualidade em 2009 e 2010

Comentar
Compartilhar
19 JAN 201320h57

Praias de quatro cidades da Baixada Santista apresentaram sensível melhora da qualidade em 2010, comparando-se ao quadro de 2009, segundo registros da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), da Secretaria de Estado do Meio Ambiente. São elas: Santos, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe. No entanto, os banhistas também podem desfrutar da excelente balneabilidade das praias de Bertioga e Guarujá e do Rio Perequê, em Cubatão.   

Em Bertioga, a boa qualidade prevaleceu nas nove praias da cidade ao longo de 2010. Apenas entre janeiro e fevereiro, três praias apresentaram condições impróprias. Em 2009, apenas a praia da Enseada apresentou condições impróprias entre julho e agosto.

Em Cubatão, o Rio Perequê permaneceu com a balneabilidade excelente em 2009 e em 2010. Já em Guarujá, dez praias permaneceram com a qualidade boa tanto em 2009 quanto em 2010. Só a praia do Perequê apresentou péssimas condições de balneabilidade ao longo dos dois anos, sem apresentar melhora.

Itanhaém registrou melhora na balneabilidade das praias de 2009 para 2010. Enquanto no primeiro ano as dez praias apresentaram condições impróprias na maior parte dos meses de janeiro, fevereiro, julho, agosto, setembro e outubro, em 2010, apenas as praias de Parque Balneário, Centro, Sonho Jardim São Fernando e Balneário Gaivota concentraram condições impróprias em janeiro e fevereiro.

Em Mongaguá, durante apenas cinco meses, todas as praias permaneceram próprias para o banho de mar, em 2009, sendo os meses de janeiro, fevereiro, março, abril, julho, agosto e dezembro, os que concentraram maior prevalência das condições impróprias. Já em relação a 2010, houve melhora da balneabilidade, concentrando a maioria das praias impróprias em apenas cinco meses do ano.

Em Peruíbe, a balneabilidade melhorou em 2010 na comparação com 2009. Este ano, todas as praias permaneceram próprias durante oito meses. Apenas em janeiro, fevereiro e outubro as análises da Cetesb apontaram condições impróprias em quatro das seis praias da Cidade. Em 2009, todas as praias apresentaram condições próprias durante apenas cinco meses.

Já em Praia Grande, tanto em 2009 quanto em 2010, todas as praias apresentaram condições impróprias, na maioria das semanas. As sete praias de Santos apresentaram condições impróprias em 2009. Em janeiro e julho todas as praias apresentaram qualidade péssima.

Em 2010, houve sensível melhora da balneabilidade. Em fevereiro, todas as praias estavam próprias e em outubro a Cetesb reprovou a qualidade apenas na primeira semana em todas as praias.

Em São Vicente, a qualidade das praias piorou em 2010, com todas as praias apresentando condições impróprias na maioria das semanas dos doze meses do ano. Já em 2009, três das cinco praias do Município permaneceram próprias na maioria das semanas de janeiro a junho. Já no segundo semestre de 2009 a qualidade piorou em todas as praias.

No último dia 16 de novembro quando foi apresentada a Operação Verão, em Guarujá, o superintendente da Unidade de Negócios da Sabesp na Baixada Santista, Joaquim Hornink Filho, afirmou que esta temporada será de colher os resultados da gama de infraestrutura em rede de fornecimento de água, rede coletora e tratamento de esgotos (Onda Limpa) que foi investida na Baixada ao longo deste ano.

”Foram investidos R$ 1,6 bilhão. É um investimento maciço que tirou a Baixada Santista de uma coleta e tratamento de esgoto de 53% chegando, no final de 2011, a 95%. Poucas cidades no Brasil possuem o índice que a Baixada Santista vai ter”, afirmou Hornink Filho.

Hornink Filho afirmou, em novembro, que água não deverá faltar para o aumento de demanda de consumo e que a Região deverá ser premiada com praias mais balneáveis, graças aos sistemas de coleta e tratamento de esgotos e à limpeza dos canais de Santos (Operação Canal Limpo).

“Hoje pela manhã (16 de dezembro) fizemos uma reunião com a Cetesb e já apontamos que na cidade de Santos, Mongaguá e Itanhaém já houve uma melhora considerável. Na cidade de Santos, por exemplo, a balneabilidade, nos últimos dez anos, melhorou em 30%”, declarou Hornink Filho, na ocasião.

Onda Limpa

Por meio do Onda Limpa, o maior programa de saneamento do litoral brasileiro, foram investidos R$ 1,12 bilhão desde 2007, quando o programa foi lançado pelo governo do Estado. Estão em andamento obras que somam outros R$ 1,1 bilhão, sendo que US$ 200 milhões são de financiamento da Jica (Agência de Cooperação Internacional do Japão), aprovado no Senado.

Com o programa, o esgoto coletado na Baixada Santista passará a 95% até o fim de 2011. No início do programa, 53% eram coletados. O programa está na fase de execução das ligações domiciliares. Em 2010, foram entregues sete Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) e duas Estações de Pré-condicionamento, todas já estão em pleno funcionamento.