Promotor sul-africano acusa Pistorius de assassinato premeditado

Gerrie Nel acredita que o atleta paralímpico, após discussão, disparou várias vezes contra a porta do banheiro, onde sua namorada estava encolhida

Comentar
Compartilhar
19 FEV 201310h39

O promotor sul-africano Gerrie Nel, que acusa Oscar Pistorius por assassinato premeditado, acredita que o atleta olímpico fez disparos contra a porta de um banheiro onde sua namorada estava encolhida, após uma discussão, no dia de São Valentin (o equivalente ao Dia dos Namorados na maior parte do mundo), atingindo Reeva Steenkamp três vezes.

"Ela não podia ir a lugar algum, não podia correr", afirmou Nel durante a audiência para definição da fiança de Pistorius, nesta terça-feira.

A morte de Steenkamp na casa do atleta chocou os sul-africanos e pessoas ao redor do mundo, que idolatravam Pistorius por ter superado as adversidades de ser biamputado e se tornado um campeão, tendo competido nos Jogos Olímpicos de Londres no ano passado, embora seja um atleta paralímpico.

Steenkamp, de 29 anos, era modelo e advogada e estreou num reality show que foi ao ar no sábado, dois dias após sua morte.

Nel disse que o casal teve uma discussão e Steenkamp foi para o banheiro, por uma passagem de sete metros, e se trancou no local Segundo ele, Pistorius levantou-se da cama e teve de colocar suas próteses para chegar à porta do banheiro.

O promotor disse ao tribunal que a porta foi arrebentada pelos tiros disparados, mas o advog

Oscar Pistorius é o primeiro atleta olímpico e paralímpico da história a competir de maneira simultânea e em igualdade de possibilidades com atletas não deficientes em nível mundial e olimpico (Foto: Divulgação/ Site Oficial)

ado do atleta afirmou que não há evidências que sustentem a acusação de assassinato. "Foi para matá-la ou para tirá-la de lá?", questionou o advogado de defesa, Barry Roux, referindo-se à porta quebrada. A defesa afirma que Pistorius não sabia que a namorada estava no banheiro

Pistorius, que parecia triste e solene no início da audiência, soluçou com a cabeça entre as mãos quando seu advogado disse que os disparos, feitos na madrugada de 14 de fevereiro, foram acidentais

De acordo com a polícia, os vizinhos disseram que ouviram uma discussão e, em seguida, os disparos. O casal estava junto havia apenas três meses.

O promotor afirmou que o assassinato foi premeditado porque Pistorius havia planejado dizer que achava que estava atirando num intruso e disse isso a sua irmã, Aimée. "Foi tudo parte do plano. Por que um invasor se trancaria num banheiro?", questionou Nel.

O advogado de defesa argumentou que Pistorius deve ser libertado sob fiança e que não há outras acusações pendentes contra o atleta. De acordo com especialistas, pode demorar meses até que o caso seja julgado.

Do lado de fora do tribunal, dezenas de mulheres protestavam contra a violência doméstica e seguravam faixas pedindo que Pistorius não seja libertado sob fiança. Numa delas estava escrito: "Pistorius deve apodrecer na prisão".

A África do Sul tem um dos índices mais altos de violência contra mulheres e as taxas mais altas do mundo de mulheres mortas por um parceiro, segundo estudo do Medical Research Council. Outro levantamento da mesma instituição estima que uma criança ou mulher é estuprada a cada quatro minutos. Embora os índices de homicídios tenham caído, o número de mulheres mortas por parceiros ou ex-parceiros aumentou, disse a professora Rachel Jewkes, membro do Medical Research Council. Pelo menos três mulheres são mortas por um parceiro a cada dia na África do Sul, país de 50 milhões de habitantes, afirmou ela.

Steenkamp fazia campanha contra a violência doméstica e havia escrito em sua conta no Twitter que planejava participar de um protesto na sexta-feira, usando roupas negras, em homenagem a uma menina de 17 anos que foi vítimas de um estupro coletivo, além de sofrer mutilações, duas semanas atrás. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.