Programa Praia Acessível faz parceria com Associação Paradesportiva

A APBS, organização conveniada da Prefeitura de Guarujá, está gerenciando o Praia Acessível; projeto dá acesso ao mar às pessoas com deficiência e mobilidade reduzida

Comentar
Compartilhar
19 MAR 201411h53

O programa Praia Acessível, que possibilita o banho de mar a pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, está com uma parceria campeã na luta pelas políticas para estas pessoas. Desde o início do ano, o programa está sob gerência da Associação Paradesportiva da Baixada Santista-SP (APBS).

O Programa Praia Acessível é um projeto do Estado de São Paulo, por meio Secretaria de Direitos da Pessoa com Deficiência, e viabilizado em Guarujá pela Prefeitura. Os usuários e familiares fazem um cadastro e são acompanhados pelos facilitadores (profissionais treinados pelo Estado) para um banho de mar que dura entre 30 e 45 minutos. O tempo varia de acordo com o atendimento e a disponibilidade de cadeiras anfíbias e facilitadores.

A integrante da APBS Maria Isabel Lourenço, que disputou dois mundiais de bocha paraolímpico pela seleção brasileira, ficou 18 anos sem poder entrar no mar. “Eu ficava só olhando, com vontade de entrar na água, mas sem condições. Agora, com este programa, venho matar a vontade a cada 15 dias”, afirmou Maria.

Parceria APBD e Praia Acessível (Foto: Divulgação/PMG)

A Associação Paradesportiva montou a tenda “APBS roda na areia”, que fica na Praia das Pitangueiras, na direção da Praça dos Expedicionários (fim da Avenida Puglisi). O atendimento é feito todas as sextas, sábados e domingos, das 9 às 17 horas. O ambiente e os profissionais são direcionados para atender as pessoas com deficiência, com música, interatividade e clima de descontração.

O coordenador da APBS, Moisés Fabrício Cruz, ressaltou que o esporte tem que melhorar a qualidade de vida. “Temos atletas de seleção brasileira, mas sabemos que nem todos serão profissionais. Por isso, a autonomia e qualidade de vida deles estão em primeiro lugar”, disse Cruz.

O facilitador e professor de surf, Edilberto Cardoso “Dik”, trabalha no programa há três anos e também recebe pessoas com deficiência em sua escola de surf. O paratleta André Luis foi ousado e andou de caiaque com o Dik. “Eu curti, é muito divertido”, confessou André.

O programa é uma terapia também para os facilitadores. “É emocionante ver a alegria destas pessoas ao entrar no mar. Sinto que meu dever foi cumprido”, contou Leonardo Franco, de 18 anos, um dos voluntários.

APBS – Fundada em 2003, em Guarujá, a entidade busca auxiliar na promoção e desenvolvimento da pessoa com deficiência, por meio do esporte, atividades sociais e de saúde, além de potencializar os aspectos psicológicos facilitando sua integração e inclusão. A entidade é conveniada à Prefeitura de Guarujá.

Mais de 200 paratletas cadastrados recebem assistência da ABPS, divididos nas modalidades: paraolímpicas, adaptadas e paradesportivas. A associação desenvolve sete esportes paraolímpicos: atletismo, bocha, basquete, futebol de sete (para deficientes com paralisia cerebral), natação, tênis de mesa e vôlei sentado.

Pessoas com qualquer tipo de deficiência e interessadas em praticar algum esporte podem fazer contato com a entidade através do telefone: 3386-8307 ou pelo site www.apbsantista.org.