X
Cotidiano

Professores protestam em São Vicente

Eles lutam por equiparação salarial. Prefeitura só responderá no dia 12 e Sindicato quer assembleia no dia 19

Professores de São Vicente podem entrar em greve nos próximos dias. Eles estão descontentes com a Prefeitura e também com o Sindicato dos Servidores Municipais (SindservSV) pela morosidade nas negociações visando a equiparação salarial da categoria, que envolve mais de 2.500 educadores e está no dissidio coletivo da categoria desde 2013,

Nesta segunda-feira (2) à tarde, um grupo fez uma manifestação na porta do Paço Municipal. A polícia foi acionada. Segundo informações, os professores que tem jornada inferior a 180 horas mensais estariam sendo prejudicados em relação aos que tem jornada de 220 horas porque estes últimos ganharam 20 horas a menos de trabalho sem ter os vencimentos reduzidos.

As aulas começam amanhã. No entanto, a situação, segundo os professores, vem se arrastando sem uma posição do Executivo e nem do Sindicato. O prazo fixado para por um ponto final na questão acabou na última sexta-feira (30).

Hoje, a Secretaria da Educação (Seduc) informou que tem até o próximo dia 12 para se pronunciar sobre a equiparação dos valores de horas aulas dos professores. O prazo foi acordado em reunião com o Sindicato de Servidores Públicos de São Vicente (SindservSV), que quer discutir a questão no próximo dia 19, em uma assembleia com a categoria, após receber a contraproposta do Executivo.  

Professores protestaram na porta da Prefeitura (Foto: Andreia Lamaison/Leitor DL)

Hoje, às 15h30, os professores deverão participar da reunião para discutir outro assunto também bastante complicado: a não convocação dos professores aprovados no concurso público de 2012.  

Vale lembrar que, ano passado, o promotor de Justiça da Infância e Juventude de São Vicente, Eduardo Gonçalves de Salles, abriu inquérito civil para apurar possíveis irregularidades na prestação do ensino público municipal com relação à falta de professores na rede. A iniciativa se baseou na denúncia de uma mãe de aluno que reclamou da falta de professores, alertando que alunos estariam sendo dispensados antes do horário regular.  

Eduardo Salles alertou que a Administração pode estar descumprindo a Constituição Federal, o Estatuto da Criança e do Adolescente e a Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional. Paralelamente, a Câmara de Vereadores constituiu uma Comissão Especial de Vereadores (CEV) para apurar a falta de professores.

Em agosto último, o prefeito Luís Cláudio Bili (PP) garantiu  que iria prorrogar, por mais dois anos, o concurso público realizado em 2012. O concurso teve 700 classificados e estava ameaçado de ser extinto para dar lugar a um novo certame.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Dois PMs morrem com suspeita de febre maculosa durante curso

Vítimas eram instrutores da COPC, que teve uma fase de curso em área de mata. Casos seguem em análise pela Fiocruz

Se já estava ruim, vai piorar! Petrobras anuncia novo aumento nas refinarias

Reajuste passa a valer nesta terça-feira (26) para gasolina e diesel

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software