Professores do Estado cogitam greve

Hoje os pisos salariais para jornada de 30 horas são R$ 835,12 (PEB I) e R$ 966,75(PEB II)

Comentar
Compartilhar
25 FEV 201321h02

Diante do impasse da negociação salarial de 250 mil professores da rede estadual de ensino, a categoria anunciou a possibilidade de paralisação no dia 13 de abril. Segundo a coordenadora regional do Sindicato das Redes Oficiais de Ensino do Estado de São Paulo (Apeoesp-Baixada), Célia Amado, caso o Governo do Estado não ofereça uma contraproposta às reivindicações dos professores, a greve será deflagrada.

A categoria reivindica a reposição salarial com extensão aos aposentados e a incorporação das gratificações e bônus e a correção das distorções das leis 836 (plano de carreira) e 958 (escala de vencimentos). “Queremos a incorporação das gratificações ao salário que havia sido prometida pelo governador Mário Covas, que aprovou e depois vetou a incorporação, e a revisão salarial até o piso do Dieese — R$ 1.565,61 (janeiro de 2007) —, defasada há 12 anos. Hoje os pisos salariais para jornada de 30 horas são R$ 835,12 (PEB I) e R$ 966,75(PEB II).

A proposta do governador José Serra anunciada na última segunda-feira de conceder reajuste aos professores de acordo com o desempenho em sala de aula foi combatida pela categoria que promoverá nova assembléia no próximo dia 30 contra a medida e para reforçar as reivindicações.

Segundo Célia, a manifestação está prevista para às 14 horas em frente ao Masp, na Avenida Paulista, na Capital, e pretende reunir entidades representativas como a Apeoesp-Baixada, a Associação dos Aposentados do Magistério Público do Estado de São Paulo (Apampesp), União dos Direitos do Ensino Magistério Oficial (Udemo), APASE (Associação Paulista dos Supervisores do Estado) e Centro do Professorado Paulista (CPP), entre outros segmentos do funcionalismo.