Professores de São Vicente cobram pagamento de férias

O benefício seria depositado na primeira semana de janeiro, mas os professores receberam um comunicado informando sobre a prorrogação do pagamento para o dia 23 de janeiro

Comentar
Compartilhar
09 JAN 2018Por Vanessa Pimentel12h41
Servidores da rede municipal de ensino de São Vicente reclamam que a prefeitura não cumpriu com o prazo de pagamento das férias referente ao último recesso escolarFoto: Arquivo DL

Servidores da rede municipal de ensino de São Vicente reclamam que a prefeitura não cumpriu com o prazo de pagamento das férias referente ao último recesso escolar. A princípio, o benefício seria depositado na primeira semana de janeiro, mas ontem pela manhã, os professores receberam um comunicado informando sobre a prorrogação do pagamento para o dia 23 de janeiro.

Em 29 de dezembro do ano passado, quando se encerrou o prazo legal para as prefeituras da região efetuarem o depósito, São Vicente afirmou que o pagamento seria realizado na primeira semana de janeiro, o que não aconteceu.

A reportagem entrou em contato com o Sindicato dos Trabalhadores no Magistério e na Educação Municipal (Sintramem) e foi informada que o presidente da associação, Roberto Ciccarelli Junior, estava em contato com a Administração para saber o motivo do ­depósito não ter sido efetuado no prazo estipulado pelo prefeito na última reunião realizada entre as partes, em ­dezembro.

Já a prefeitura informou, por meio da Secretaria da Fazenda, que dentro do planejamento orçamentário/financeiro adotado pela atual gestão, além de pagar toda a folha e 13º deixados pelo governo anterior, a Prefeitura cumpriu com as obrigações de salários, férias, 13 e fornecedores, além de assumir diversos parcelamentos.

“O pagamento dos professores, por ser feito na sua totalidade (mais de 3 mil profissionais), está previsto para ser realizado entre os dias 16 e 23 de janeiro, com recursos que chegam do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb”), concluiu a nota.