Produção de máscaras por presos está perto de 6 milhões

Penitenciária 1 de São Vicente é responsável pela produção da Baixada Santista, com mais de 80 mil máscaras confeccionadas

Comentar
Compartilhar
10 SET 2020Por Da Reportagem17h30
Na região da Baixada Santista, foram produzidas 82.900 máscarasFoto: Divulgação/Governo do Estado

Pelo menos 288 reeducandos custodiados em dez presídios paulistas têm colaborado diariamente no combate ao coronavírus elaborando máscaras de proteção. Em cinco meses, foram confeccionadas 5.879.862 máscaras (descartáveis e reutilizáveis, incluindo face shield). Desse total, 1 milhão foi doado pela Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) e Funap à população.

Na região da Baixada Santista, foram produzidas 82.900 máscaras no parque fabril instalado na Penitenciária "Dr. Geraldo de Andrade Vieira", a P 1 de São Vicente. A produção inclui a confecção de máscaras infantis, com total de 16.900 peças.

Inicialmente, a linha de produção era focada nos modelos descartáveis. Depois, as oficinas da Fundação "Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel" (Funap) ampliaram o leque de opões com máscaras reutilizáveis. O portifólio da Funap também inclui toucas e aventais descartáveis. Além das máscaras, já foram produzidos 108.635 itens de higiene para proteção contra a pandemia em outras unidades do estado.

No último dia 31/08, durante reunião do Comitê Empresarial Solidário contra a Covid-19, o secretário da Administração Penitenciária, Coronel Nivaldo Cesar Restivo, anunciou que irá doar 500 mil máscaras ao Fundo Social Paulista. Esta doação se soma a outras 500 mil máscaras doadas à Secretaria de Desenvolvimento Social. As duas doações equivalem a R$ 605 mil, considerando o custo de produção, insumos e a remuneração dos presos, conforme determina a Lei de Execução Penal, que prevê o pagamento de pelo menos ¾ do salário mínimo. "Essas máscaras serão distribuídas às pessoas mais vulneráveis e mais necessitadas", salienta Restivo.

"Os reeducandos seguem um rigoroso padrão de higiene e obedecem a protocolo de proteção sanitária aprovado pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas", completa.