Procon Móvel atende 130 consumidores na Praça 14 Bis

Entre orientações e notificações, 60 reclamações foram formalizadas, sendo maioria proveniente de empresas de telecomunicação

Comentar
Compartilhar
25 MAR 201512h12

O Procon Guarujá, com o apoio da Fundação Procon do Estado de São Paulo, atendeu 130 pessoas na última segunda-feira (23), na Praça 14 Bis, em Vicente de Carvalho, na atividade do Procon Móvel. O atendimento, que começou às 10 horas, com término às 16 horas, forneceu orientações aos que passavam e também registrou 60 notificações aos interessados em defender seus direitos de consumo.

O serviço integrou a programação voltada para o Dia do Consumidor, comemorado em 15 de março. Por meio da Unidade Móvel, seis profissionais do Procon realizaram o atendimento. A maioria das queixas feitas pelos consumidores foi referente a empresas de telecomunicações, com 60% de notificações.

O diretor do Procon Guarujá e coordenador do órgão em toda Baixada Santista, Alexandre Cardoso, diz que o atendimento superou as expectativas. “Em uma hora atendemos 50 pessoas. Atendemos toda a demanda com a mesma veracidade que procedemos no Procon Guarujá”, assegurou Cardoso.

O coordenador do Núcleo Regional Santos da Fundação Procon – SP, Wesley Rodrigues, também auxiliou no atendimento aos munícipes, em função da agenda de serviços prestados pela Fundação no mês do Consumidor. “Se o consumidor recebe uma cobrança indevida, sem discriminação de quando, por exemplo, recorra ao Procon. Se estiver com alguma dívida e necessita negociar, ou problemas com garantia do produto que adquiriu, procure a orientação do Procon”, explicou.

A comerciante Ana Maria da Cruz Santos ficou sabendo que o Procon estaria na Praça 14 Bis e foi em busca da solução de seu problema. “O meu nome foi parar no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), por uma dívida que eu nem sabia que tinha. A empresa não me deixou ciente e, por isso, vim aqui agora para entrar com o pedido de acordo”, contou Ana.

Já na causa da pensionista Maria das Graças Goés Paixão, o Banco Itaú fez um consórcio em seu nome, sem permissão. “Eles acham que só porque já tenho idade, sou burra, mas eu sou muito inteligente”. A queixa de Maria foi notificada e o Procon Guarujá irá proceder em ajudá-la. “Valeu a pena eu vir pelo atendimento. Fui tratada com educação e isso é ótimo, o que hoje está muito difícil. Geralmente você vai a um lugar e não é bem tratado, e aqui foi diferente”, comentou Maria.