Procon convoca vítimas de assalto na Caixa para mutirões

O mutirão será nos dias 29 e 31 deste mês e em 26 de fevereiro, sempre das 9 às 17h, no auditório da Secretaria de Educação

Comentar
Compartilhar
25 JAN 2018Por Da Reportagem12h15
Atendimento será nos dias 29 e 31 deste mês e em 26/02 na Praça dos Andradas, 25/34; é preciso levar o comprovante do dinheiro ou joias roubadosFoto: Arquivo DL

O Procon-Santos convoca as vítimas do assalto à agência da Caixa Econômica Federal (CEF), na Rua General Câmara, 15, no Centro, para participar de mutirões para registro de ­reclamação contra o banco junto ao órgão de defesa do consumidor. O mutirão será nos dias 29 e 31 deste mês e em 26 de fevereiro, sempre das 9 às 17h, no auditório da Secretaria de Educação (Praça dos Andradas, 25/34).

Mais de 300 pessoas já procuraram o Procon-Santos em busca de informação e esses clientes são esperados agora para formalizar a queixa. Os interessados precisam levar o comprovante do dinheiro e/ou joias que tinham no banco e ­foram levados pelos ­criminosos.

O assalto aconteceu dia 17 de dezembro do ano passado. Por volta das 11h, a quadrilha entrou na agência com roupas da Polícia Militar. Rendeu dois funcionários e efetuou o ­crime, deixando o local por volta das 18h. O atendimento ao público só voltou dia 21 e até hoje não se sabe o número de vítimas e o montante ­levado do cofre.

Promotoria

O coordenador do Procon-Santos, Rafael Quaresma, também enviou ofício ao Ministério Público Federal (MPF) solicitando audiência para ­tratar do caso.

No documento, ele relata os três encontros que aconteceram buscando uma solução amigável. Mas segunda-feira (22) o banco encerrou as negociações e disse que o caso será tratado na Justiça.

Quaresma disse que as queixas administrativas que os consumidores formalizarão no Procon-Santos podem servir de base para a ação da ­promotoria, caso seja esse o entendimento do MPF. O Procon é ligado à Secretaria de Relações Institucionais e de Cidadania, conveniado à Fundação Procon/São Paulo e integrante do Sistema Nacional de Defesa do ­Consumidor (SNDC).