Primeiro leão nascido na Baixada Santista, Nanji completa 14 anos este mês

Animal é atração no Parque Ecológico Engenheiro Tercio Augusto Garcia

Comentar
Compartilhar
13 MAI 2019Por Da Reportagem18h04
Nanji superou as adversidades para brilhar e crescerFoto: Divulgação/PMSV

Um som corta o ar no Parque Ecológico Engenheiro Tércio Augusto Garcia. “Mãe, será que foi ele?”, pergunta uma menina, empolgada. Depois do aceno positivo ao seu questionamento, a garota corre, fica na ponta dos pés e, com os olhos brilhando, o contempla, rugindo. Lá está Nanji, o primeiro leão nascido na Baixada Santista.

A cena se repete há anos. Mais precisamente, desde 2005. Mas, neste mês, as palmas que o ‘Rei das Selvas’ recebe são especiais. Elas comemoram os 14 anos completados pelo animal no último dia 2. Não foi fácil chegar até aqui. A médica veterinária Sandra Perez, que cuida de Nanji praticamente desde o nascimento, conta o início da história.

“Com 30 minutos de vida, ele precisou ser tirado da mãe (Noala), que não tinha habilidade materna e queria atacá-lo. Então, o Nanji não mamou colostro. Acabou tendo problemas de pele e podia não resistir, por ter imunidade baixa”, ressalta.

A situação gerou muitos cuidados. “Ele foi para minha casa, porque tinha que mamar de hora em hora, dia e noite. Eu e um biólogo revezávamos —  isso com  autorização do Ibama. Essa rotina durou dois meses”, diz Sandra, comparando, na sequência, o trabalho com a mesma atenção que uma mãe tem por um bebê.

“Como o leite de vaca era fraco para o Nanji, preparávamos um leite diferente, com gordura maior. Era como se fosse um nenê. Foi maravilhoso. Não me arrependo nem um pouco”, afirma.

A médica veterinária cita o nível de relacionamento que possui atualmente com o animal. “A proximidade com ele criou um laço afetivo muito grande. Nos damos bem, mas pela grade. É um animal pelo qual tenho carinho (especial)”.

“Família” – Filho de Nagan, hoje no Zoológico de Americana, no interior de São Paulo, e Noala, que morreu ainda em 2005, Nanji superou as adversidades para brilhar e crescer — o animal passa dos 200 quilos. A fim de seguir como uma das atrações principais do Parque por muitos anos, o felino segue dieta rica em proteínas.

“O leão come em torno de cinco a seis quilos todo dia. Damos para ele frango resfriado, acém (corte de carne bovina), coração e rim de boi, e outros alimentos como esses. A dieta é variada, mas em torno desses itens, por se tratar de um carnívoro”.

Vale lembrar que o aniversariante tem um irmão mais novo: Naweh, que nasceu em dezembro de 2006. Este também é filho de Nagan, mas com Kiara. Os dois não convivem no mesmo espaço.

“Como os dois são de linhagens diferentes, cada um defende seu território. Então, ficam separados”, explica a médica veterinária.

Ambos estão prontos para receber os visitantes. O ingresso para o Parque, que fica na Rua Dona Anita Costa, s/nº, Vila Voturuá, custa R$ 2. Crianças até cinco anos e idosos a partir de 60 anos não pagam. Crianças de 6 a 11 anos pagam meia-entrada.

Colunas

Contraponto