PRF registra redução de mortes nas rodovias durante o feriado

Em 2017, em três dias foram 39 acidentes, 34 feridos e cinco mortes. Este ano, em quatro dias a PRF registrou 56 acidentes, 53 feridos e dois mortes

Comentar
Compartilhar
11 JUL 2018Por Da Reportagem09h00
Houve redução no número de mortos nas rodovias federaisHouve redução no número de mortos nas rodovias federaisFoto: Divulgação

O feriado de nove de julho celebra no estado de São Paulo a Revolução Constitucionalista de 1932. Neste ano, a celebração de âmbito estadual caiu em uma segunda feira, ao contrário de 2017 em que o dia 9 de julho ocorreu num domingo, tendo assim menor influência no tráfego rodoviário, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Mesmo com o aumento de dias do feriado, o que multiplica o fluxo de veículos transitando, houve redução no número de mortos nas rodovias federais, apesar do esperado aumento no número geral de acidentes. Em 2017, em três dias foram 39 acidentes, 34 feridos e cinco mortes. Este ano, em quatro dias a PRF registrou 56 acidentes, 53 feridos e dois mortes. Uma redução de 60% no número de ­mortes.

Já nas rodovias do Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI) foram registrados 44 acidentes, com 19 feridos e uma morte. Mais de 242 mil veículos desceram rumo ao litoral entre 0h de sexta-feira (6) e às 23h59 de segunda (9).

No mesmo período, a PRF em São Paulo preparou uma operação para aumentar a presença da fiscalização nas rodovias federais do estado. Segundo a PRF, todos os equipamentos de fiscalização de velocidade no estado estiveram operando e cada uma das equipes de policiais contava com um etilômetro (o popular bafômetro), com intento de coibir as práticas que mais risco causam nas rodovias.

Foram realizados 667 testes de alcoolemia. Trinta e oito motoristas foram autuados por conduzirem sob efeito de álcool ou recusar-se a realizar o teste e dois foram presos. A PRF também registrou 5.095 autuações por excesso de velocidade, 76 por ultrapassagens proibidas e quatro por transportar crianças fora da cadeirinha.