Prefeitura de Santos é questionada sobre manipulação de dados nos casos de Covid-19

Munícipes e vereadores questionaram a não inclusão no Boletim Oficial dos 140 casos positivos da Câmara

Comentar
Compartilhar
07 AGO 2020Por Vanessa Pimentel07h00
Prefeitura divulgou Boletim Oficial considerando apenas 71 dos 140 casos confirmados de Covid na Câmara, após testagensFoto: Rodrigo Montaldi/Arquivo DL

Munícipes e vereadores questionaram a Prefeitura de Santos sobre uma suposta manipulação nos números dos casos positivos de Covid-19 na cidade. As dúvidas aumentaram na terça-feira (4), quando a página oficial do órgão no Facebook divulgou a quantidade de casos positivos da doença sem contabilizar os 140 funcionários da Câmara diagnosticados com Covid após a realização de testes rápidos feitos naquele mesmo dia. Ao todo, 329 funcionários fizeram o exame.

No dia seguinte (5), dos 140 casos confirmados na Casa, apenas 71 foram contabilizados no Boletim Oficial porque, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, os demais 69 que testaram positivo não transmitem mais o vírus.

Em seguida, a vereadora Telma de Santos se manifestou em sua rede social questionando a justificativa. No relato, ela diz  que os infectados, independente de estarem ou não transmitindo a doença, estatisticamente foram contaminados, por isso deveriam constar no boletim.

"Se o entendimento for desprezar o teste positivo de quem não está transmitindo ou inconclusivo, é bem possível que os casos estejam subnotificados".

A vereadora também perguntou sobre a origem dos testes adquiridos pela Administração e lembrou que o município não faz a retestagem por meio do exame RT-PCR, o que é recomendado quando testes rápidos apontam resultados positivos para Covid-19.

"Alterar o entendimento sobre as estatísticas demonstra que a pandemia está descontrolada em Santos, a estratégia de enfrentamento está equivocada e as informações podem estar sendo manipuladas", concluiu.

Falso positivo

O vereador Benedito Furtado também se manifestou ontem (6) em suas redes sociais. Ele foi uma das pessoas diagnosticadas com corona, de acordo com o resultado do teste rápido realizado na Câmara de Santos.

Mas, ao realizar novo exame, dessa vez por teste sorológico em laboratório particular, o resultado foi negativo para Covid-19.

"Ao examinar o resultado, o médico e amigo Evaldo Stanislau me informou que não estou infectado e que o teste rápido realizado na Câmara com certeza havia acusado 'falso positivo'. Agora, é esclarecer quais razões estão levando os gestores públicos a submeter a sociedade a testes rápidos com tamanha imprecisão", declarou.

Prefeitura

Em nota, a Prefeitura rechaçou a acusação de suposta tentativa de manipulação de informação sobre a quantidade de infectados pelo Coronavírus. Quanto à origem dos testes, disse que são todos aprovados pela Anvisa.

Em relação à premissa de que casos positivos que não transmitem mais o vírus podem ser desconsiderados dos Boletins Oficiais, a Secretaria de Saúde respondeu que segue as definições de casos e de notificações estabelecidas pelo Ministério da Saúde e Secretaria de Estado da Saúde.

De acordo com essas resoluções, assintomáticos da Covid-19 que tiveram resultados de anticorpos IgM ou IgA (ou seja, ainda com a doença e produzindo anticorpos) é que são considerados positivos para corona, o que explicaria a contabilização parcial e não total dos casos da Câmara no Boletim Oficial. 

Informou ainda que esses casos entraram na edição do informativo de quarta-feira e não no de terça porque após a realização dos testes, os resultados foram encaminhados para análise da Seção de Vigilância Epidemiológica e, só depois, passaram a integrar as estatísticas oficiais municipal, estadual e federal.