Prefeitura de Santos aguarda estudo de impacto sobre o IML no Estuário

Vereador Sérgio Santana (PR) vai apresentar relatório sobre audiência pública

Comentar
Compartilhar
07 MAI 2019Por Carlos Ratton07h20
Moradores não querem que IML ocupe prédio da Bernardo Browne, no Estuário, em SantosFoto: Nair Bueno/DL

A Prefeitura de Santos informou ontem que aguarda o Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) por parte do Estado, para analisar a viabilidade, ou não, da implantação do futuro Instituto Médico Legal (IML) e necrotério, na Rua Bernardo Browne, 122, no Estuário.

"Por meio de uma comissão instituída por lei, será analisado o estudo, verificando se atende as disposições legais a fim de minimizar e/ou compensar os impactos à vizinhança. O resultado do EIV é analisado antes de qualquer emissão de licença da Prefeitura, seja para início das obras ou atividades", afirma a Administração.

Relatório

O vereador Sérgio Santana (PR) garantiu também ontem que um relatório está sendo realizado para avaliar a implantação do equipamento. Ele realizou, na última sexta-feira (3), uma audiência pública sobre a questão. A Prefeitura havia revelado que o EIV só poderia ser iniciado a partir do momento do recebimento formal do pedido de inscrição municipal para o funcionamento da atividade no local.

A implantação do equipamento vem causando resistência em parte dos moradores do bairro. No encontro, foi apresentada uma proposta alternativa de locação - um imóvel na Rua Martim Afonso, 141, próximo do Palácio da Polícia. "A proprietário do imóvel me cedeu uma cópia da proposta. O aluguel custará R$ 20 mil, o seja, R$ 10 mil a menos do que o Estado pretende pagar no imóvel do Estuário (R$ 30 mil), e ainda vai realizar todas as adaptações necessárias e se responsabilizar pela manutenção básica do IML", adiantou o parlamentar santista.

Vale lembrar que, embora esteja recebendo reformas e adaptações, o proprietário do prédio do futuro IML, no Estuário, não possui contrato assinado com o Governo do Estado de São Paulo. A informação foi confirmada pelo superintendente da Polícia Técnico-Científica, Maurício Rodrigues Costa, que revelou que também não há acordo formal e que o proprietário decidiu realizar obras de readequação do prédio após saber do interesse do Governo.

Os moradores questionam que o prédio do futuro IML no Estuário fica a apenas três metros de um prédio residencial e que sua instalação deve aumentar o fluxo de pessoas, desvalorizar os imóveis do entorno e, em função também da instalação da Polícia Científica regional no prédio, haverá acondicionamento de drogas e armas, outro impacto que gerará insegurança entre os habitantes.

Uma fiscal da Prefeitura concluiu, após consulta formal à Administração, que a área em questão não poderia abrigar o equipamento. Momento depois, a Administração afirmou que não seria necessária licença para as obras ao mesmo tempo que não há nenhum processo em andamento na Secretaria de Infraestrutura e Edificações para funcionamento do IML no Estuário, que ainda terá que passar pelo crivo da Secretaria de Saúde e obter o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) para, só então, obter o alvará de funcionamento.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) já se manifestou. Não questionou o valor do aluguel, mas garante que o imóvel atende critérios técnicos dentro de uma área de zoneamento classificada como mista e que a mudança visa melhorar as condições de trabalho e atendimento da unidade, além de preservar equipamentos e parte elétrica. Por último, revela que o prédio está em fase de adequação e que todo processo e questões legais têm sido acompanhadas de perto pela Prefeitura de Santos e órgãos estaduais. 

 

Colunas

Contraponto