Prefeitura de Guarujá leva projeto E-lixo para consultoria na Fiesp

Iniciativa surgiu como no meio escolar e Município apoia seu ingresso no mercado

Comentar
Compartilhar
19 MAR 201514h22

Com o objetivo de consolidar o projeto E-lixo Guarujá como uma empresa de destinação de lixo eletrônico à reciclagem, a Prefeitura de Guarujá levou os integrantes da iniciativa para receberem uma consultoria do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), em sua sede, na terça-feira (17).

O E-lixo Guarujá foi criado por alunos do curso de Química da Escola Técnica Municipal 1º de Maio, no ano passado, para a 10ª ExpoAmbiental. Em poucos meses, foram arrecadados 250 quilos de lixo eletrônico (computadores, pilhas, celulares, máquinas fotográficas) e direcionados à reciclagem. A ação foi apresentada em feiras e oficinas, com respaldo da Prefeitura, por meio das secretarias municipais de Educação e Meio Ambiente.

O grupo decidiu dar continuidade ao projeto e a iniciativa foi reconhecida pela prefeita Maria Antonieta Brito, que recentemente propôs ao grupo a profissionalização da ação, tornando o projeto uma empresa e os jovens seus empreendedores. Então a chefe do Executivo encaminhou os jovens à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Portuário, para o processo de formalização da futura empresa e apoio institucional.

Neste sentido, os integrantes Luis Fernando Cavalcante, Sandro Eleotério Júnior, Mariana Santos e José Carlos Duque foram recebidos na terça-feira pelo secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Portuário, Adilson Luiz de Jesus, e depois seguiram para a Fiesp com a secretária-adjunta de Desenvolvimento Empresarial, Eliane Belfort.

Eliane integrou os quadros da Fiesp por 40 anos, ocupando a diretoria titular do Comitê de Responsabilidade Social (Cores). Ela agendou a consultoria aos jovens, que se reuniram com o diretor titular do CJE, Luiz Augusto Hoffmann; seu adjunto, Alex Brunello; e os diretores Nathália Freitas de Britto e Roger Appolinário Perli, onde receberam orientações para enfrentar o mercado competitivo. “A Escola 1º de Maio tem tradição de formar mão-de-obra para o mercado petroquímico, mas há agora a primeira possibilidade de sair uma empresa desta escola. Nossa prefeita é muito preocupada com a questão da sustentabilidade e o projeto se enquadra no novo conceito de economia”, disse Eliane Belfort.

De acordo com o diretor adjunto do CJE, “este é um projeto que já nasce diferenciado e tem as necessidades atuais. Cada vez mais esse tipo de resíduo vai aumentar. O papel do CJE é estimular os jovens empreendedores e ficamos muitos felizes em contribuir. Deixamos a Federação de portas abertas a estes jovens”, finalizou Alex Brunello.

Palestra – Após a consultoria, o grupo participou da reunião do CJE, com a apresentação dos proprietários da Construtora Lindenberg, que está há 60 anos no mercado. A explanação foi feita pelas três gerações da empresa: o fundador do grupo, Adolpho Lindenberg, Adolpho Lindenberg Filho e o neto Marcos Lindenberg. “Conheça e se relacione com seus empregados. E contratem pagando muito bem”, aconselhou Adolhpho Lindenberg.

Avaliação – Para a empreendedora Mariana Santos, a experiência foi enriquecedora. “A participação do E-lixo, tanto na reunião com os diretores do CJE quanto na reunião ordinária com a família Lindenberg, foram extremamente importantes, pois estamos em fase de transição de projeto para empresa. A nossa participação ajudou a compreender melhor os outros eixos que compõem uma empresa de reciclagem de lixo eletrônico”, considerou.

Integrantes apresentam iniciativa a empresários do Ciesp regional

Com a meta de apresentar a proposta aos empresários da Baixada Santista, a secretária Eliane Belfort convidou o E-lixo para a reunião regional do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), que aconteceu naquarta-feira (18), em Cubatão. Sandro e José Carlos Duque representaram o grupo e fizeram uma explanação sobre a iniciativa.

“Pudemos expor nossos ideais do projeto e esclarecermos nossos valores, cativando o interesse em fazer parcerias com as empresas do polo industrial da nossa Região. Nos apresentamos e mostramos a nossa cara, como jovens empreendedores, buscando os valores da Baixada de maneira sustentável e inovadora”, disse Sandro.

E Duque acrescentou: “estamos vindo de uma base de orientação da Prefeitura muito boa. Foi um avanço para conhecimento e divulgação de nossa futura empresa. Tivemos a oportunidade de 'vender nosso peixe' a um grupo de empresários renomados”, finalizou.