Prefeitura de Guarujá abre 160 vagas em cursos para quem recebe Bolsa Família

A ação é realizada em parceria com o Senac e visa atingir o público carente

Comentar
Compartilhar
10 MAR 201516h36

Garantir a transferência de renda às pessoas em situação de pobreza é o objetivo do programa federal Bolsa Família. No entanto, para possibilitar que elas mudem sua condição de vida, a Prefeitura de Guarujá e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) oferecem qualificação profissional aos munícipes de baixa renda. Foram abertas 160 vagas em cursos, preferencialmente, para este público-alvo.

Os cidadãos neste perfil possuem renda mensal per capta inferior a R$ 77 e devem estar inscritos no Cadastro Único (CadÚnico) da Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Assistência Social. A maior parte das pessoas que se enquadra no CadÚnico é beneficiária do Bolsa Família. A prioridade das vagas é para este segmento, mas a qualificação é aberta a todos.

Ao todo, são oito cursos com 20 vagas cada. É possível se qualificar em Cozinha do mar, Montagem de mesas de buffet, Formação de bartender, Oficina de teatro, Oficina de DJ, Recepeção de hotéis, Criação e técnicas de montagem de bijouterias e Modelagem e costura para iniciantes. Os três primeiros acontecem neste mês.

A ação é realizada em parceria com o Senac e visa atingir o público carente (Foto: Raimundo Nogueira/PMG)

Para a diretora de Segurança Alimentar e Nutricional da Prefeitura, Georgia Hegedus Ramos, a qualificação oferecida é uma oportunidade ímpar. “É uma parceria vitoriosa da Prefeitura com o Senac. A qualidade dos cursos é muito boa e os professores competentes e compromissados. A população precisa aproveitar as oportunidades oferecidas e buscar informações sobre cursos gratuitos. O objetivo é melhorar as condições de vida das pessoas, para que elas possam ascender socialmente.”

Alunos – A turma de Cozinha do mar já teve início na última segunda-feira (9), com aulas no Centro de Atividades Educacionais e Comunitárias (Caec) João Paulo II, no Pae Cará. A dona de casa Natália Silva Pinto é aluna do curso e beneficiária do Bolsa Família. Ela acredita que a oportunidade criada pela Prefeitura e o Senac pode auxiliar muito os participantes do curso. “Além de aprender diferentes maneiras de preparar pescados, podemos, com isso, criar uma renda a mais. E tudo que é ensinado aqui é um diferencial para quem está acostumada a fazer a comida simples do dia-a-dia”, comentou.

Inscrições – Ainda neste mês, os munícipes podem se inscrever em dois cursos nos Centros de Referências de Assistência Social (Cras) mais próximos de suas casas. Para Montagem de mesas de buffet, que acontece de 23 a 26 de março (de segunda a quinta-feira), das 13 às 17 horas, no Caec Carlos César Fernandez Garcia (Rua Iracema, s/n – Vila Rã), é preciso estar cursando o Ensino Fundamental e possuir, no mínimo, 16 anos.

Já para Formação de bartender, que será entre 30 de março e 16 de abril (de segunda a sexta-feira), das 13 às 17 horas, é necessário ter 18 anos e Ensino Fundamental completo. As aulas acontecem na Sociedade Amigos do Perequê (Rua Madeira, 21 – Perequê). Os interessados nos outros cursos devem acompanhar o Diário Oficial.

Confira o endereço dos Cras da Prefeitura:

- Cras Santa Rosa: Rua Azuil Loureiro, 1.020 – Santa Rosa;

- Cras Morrinhos: Rua Manoel Vicente de Brito, s/n – Morrinhos III;

- Cras Vicente de Carvalho: Rua Osvaldo Aranha, 800 – Jardim Maravilha;

- Cras Enseada: RuaSalim Farah Maluf, 766 – Enseada.

Oficina de DJ abre oportunidade para juventude

Além do público do CadÚnico e beneficiários do Bolsa Família, os cursos também trazem oportunidade para a juventude. Embora não se enquadrem diretamente no perfil de situação de extrema pobreza, os jovens Felipe Gomes da Silva e Diego Rodrigues Pereira fizeram a Oficina de DJ no ano passado e estão ingressando no mercado de trabalho.

Eles formaram uma dupla para trabalhar juntos e já começaram a ser indicados por um buffet para animar festas. “Eu me interessei porque gosto bastante de música, principalmente música eletrônica. Achava que era simples e comecei a me aprofundar. Vamos batalhar muito para ser reconhecidos”, contou Felipe.

Já Diego acrescenta que “não possuia experiência com os equipamentos e gostei bastante. Achamos melhor formar uma dupla do que seguir sozinho”, finalizou.