Prefeita de Guarujá solicita retorno da Diretoria de Ensino

Reunida com o secretário da Educação do Estado, Maria Antonieta, reinvidicou a implantação da Deiretoria de Ensino em Guarujá.

Comentar
Compartilhar
26 JAN 201316h53

Se na rede municipal de ensino a prefeita de Guarujá, Maria Antonieta de Brito, tem feito a lição de casa, na esfera estadual ela cobra resultados. E positivos. Diante do compromisso de garantir a qualidade do ensino na Cidade, a chefe do Executivo esteve na última terça-feira (22), reunida com o secretário de Estado da Educação, Herman Jacobus Cornelis Voorwald.

A primeira reivindicação foi a implantação da Diretoria de Ensino em Guarujá, hoje instalada em Santos. Antonieta lembrou que em 2011, em encontro com o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, ficou estabelecido o compromisso. “Se haverá desmembramento ou transferência da estrutura física, quero uma Diretoria de Ensino em Guarujá”, frisou a prefeita.

Por conta do Município ter o maior número de escolas estaduais da Baixada Santista, a sua demanda dá a condição de possuir uma Diretoria e também pela proximidade com Bertioga. Caso necessário, a Prefeitura propôs inclusive uma oferta de local para o Estado.

Antonieta argumentou ao secretário Herman Jacobus que a sua preocupação é, acima de tudo, com a população. “Uma mãe que sai de Bertioga e vai para Santos, ou seja, ela percorre mais de 25 quilômetros. E ainda tem travessia, mais ônibus, para poder chegar à diretoria em Santos. Gastam R$ 20, sem contar os filhos. Por essas dificuldades, os pais acabam não indo e não se utilizando. Com a estrutura física em Guarujá fica bem mais fácil”, apontou.

De acordo com a prefeita de Guarujá, escolas estaduais na Cidade precisam de investimentos. (Foto: Divulgação)

E essa é uma luta antiga. “Busco isso desde 2001, quando era vereadora. A nossa Cidade perdeu isso e foi para Santos. Veja só que antes era uma Delegacia de Ensino e hoje se tornou uma Diretoria. É uma meta que não abrimos mão”. O secretário Herman falou que os pedidos da prefeita são relevantes. “Quero que a questão pedagógica funcione. É uma questão que tem que ser técnica e que podemos trabalhar, mas não é simples. Aguardo uma determinação do governador sobre o assunto”, salientou.
Na oportunidade, a secretária de Educação de Guarujá, Priscilla Bonini, destacou que “o assunto tem sido discutido ainda nas reuniões da União dos Dirigentes Municipais de Educação – Baixada Santista (Undime)”, do qual é a atual presidente.

“É nítida a distribuição e o perfil de alunos entre Bertioga e Guarujá, o que já justifica uma nova estrutura do Estado. Por isso, reitero o pedido da prefeita, que inclusive também é dos secretários da nossa Região. Não é uma questão só de Guarujá”.

Juntos, Guarujá e Bertioga possuem cerca de 40 mil alunos. Só na Pérola do Atlântico são mais de 33 mil. No Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), as escolas estaduais possuem índices abaixo da média, por isso precisam de uma atenção prioritária. Diversas unidades do Estado em Guarujá precisam passar por reformas e adequações.

Antonieta destacou ainda que outros assuntos carecem da intervenção estadual. No encontro, a prefeita pediu maior atenção do Estado para a comunidade de Santa Cruz dos Navegantes, que tem hoje cerca de 10 mil habitantes. “Preciso de um olhar para esta comunidade, que sofre ausência de atividades”.

Neste caso, a Administração já desenvolve programas sociais na única área que pertencia à União. Hoje a região conta com esportes e, através da Fortaleza da Barra, com trabalhos voltados a renda. Com relação ao Ensino Médio – como a Prefeitura não possui unidade municipal, tem se utilizado de salas do Estado, para o Fundamental I.

Antonieta pleiteou a Herman um espaço lateral à quadra, que daria para construir e ampliar a unidade infantil. “O secretário poderia ainda trabalhar ainda alguma questão de profissionalização no Ensino Médio”, disse. Herman sinalizou positivamente e comentou que esse é o caminho. “É preciso dar bolsas de estudo e dar chance a esses jovens”.

Escola Narduci

As cerca de 1.500 crianças que estudam na Escola Estadual Professor Jacinto do Amaral Narducci, no bairro Cachoeira, estão estruturalmente em condições ruins. Antonieta pediu que a Secretaria realize a melhora da condição física da escola. “A aparência e a falta de investimentos é notória, por isso vale a pena um investimento sério”, declarou a prefeita.

Plantão

Outra alternativa sugerida pela chefe do Executivo é a implantação de plantões dos supervisores do Estado no Município. O objetivo é facilitar a vida da população visto que muitos destes profissionais são de Guarujá.

Perequê

Para a Escola Estadual Pastor Jaconias Leite da Silva, Antonieta deseja a verticalização do prédio, assim como a reforma estrutural.

Escola Luiz Beneditino

A prefeita solicitou uma ação do Estado, para melhorar a escola, que está construída junto às residências. O intuito é promover condições de acesso à unidade, pois alguns veículos possuem dificuldade de chegar. No momento, a unidade passa por obras internas.

Transporte

O reforço do transporte escolar em Guarujá é outro pedido da chefe do Executivo. Ela pleiteou novos ônibus escolares, com 44 lugares cada, e que tenham acessibilidade.