Prefeita Antonieta ministra Aula Magna do Curso de Promotores Legais Populares (PLPs)

O objetivo do curso é capacitar lideranças femininas que atuam nas diversas áreas da sociedade

Comentar
Compartilhar
20 MAR 201411h09

A prefeita Maria Antonieta de Brito realizou na última segunda-feira (17), na sala de reuniões do gabinete do paço Moacir dos Santos Filho, a aula inaugural do Curso de Promotores Legais – PLPs. Na ocasião, a chefe do Legislativo apresentou sua trajetória de lutas em favor do reconhecimento dos direitos das mulheres, tanto no Legislativo, quanto no Executivo e também por ocasião da presidência do Condesb, quando criou a Câmara Temática de Mulheres. Lideranças comunitárias e representantes de diversas secretarias participaram do evento, organizado pela Assessoria Especial de Políticas Públicas para Mulheres, em comemoração ao Mês das Mulheres.

A prefeita Antonieta lembrou aos presentes que aquela aula era um momento de reflexão e de repensar as políticas públicas e os padrões de comportamento cultural, tanto de mulheres quanto dos homens, numa sociedade em pleno processo de transformação. Lembrou a necessidade das mulheres em avançarem na Política. “Conseguimos um avanço com a cota de 30% para os partidos. Porém, a política ainda é um território extremamente machista”, disse Antonieta e lembrou a necessidade também do fortalecimento dos Conselhos e sindicatos.

Aula Magna do Curso de Promotores Legais Populares (Foto: Marcos França/PMG)

“No mercado de trabalho e na política, as mulheres avançaram muito, hoje várias empresas são comandadas por representantes do gênero feminino, mas ainda há necessidade de informação e ações, principalmente nas classes menos favorecidas. É preciso criar uma agenda pública, na qual homens e mulheres caminhem juntos. Temos um grande desafio, que é construir uma sociedade melhor para homens e mulheres”, finalizou a prefeita.

A representante do Conselho da Pessoa com Deficiência, Vera Lúcia Pereira da Cunha, lembrou que qualquer pessoa pode agora fazer a denúncia de violência contra mulheres.

Outra participante do curso de PLPs foi a líder comunitária, Maria José Lima e Silva, que disse que o respeito tem de ser de ambas as partes num casal. “As mulheres têm que ter respeito também, respeitar os marido e serem respeitadas por ele, bem como educar adequadamente os filhos. Temos que buscar a dignidade e educar nossos filhos e filhas para que sejam melhores maridos e esposas, e principalmente ter Deus na relação do casal”, concluiu.

O curso de PLPs terá duração de 80 horas, distribuídas ao longo de três meses e é voltado para a orientação e atendimento jurídico de mulheres vítimas de violência, capacitando multiplicadores nas comunidades. A proposta foi construída a partir do momento que se percebeu que as mulheres que tinham mais informação sobre seus direitos, sofriam menos violência. As promotoras são lideranças femininas capacitadas em noções de Direito, direitos humanos das mulheres, organização do Estado e do Poder Judiciário.