Praia Grande continua sem acidentes com embarcações

Guarda Costeira desenvolveu esquema para garantir mais segurança.

Comentar
Compartilhar
09 JAN 201316h03

Sem registro de acidentes desde 2000, Praia Grande tem sido cada vez mais procurada por donos de barcos e jet-skis justamente pelo rigor na fiscalização às embarcações que passam pelas praias da Cidade. Somente no final de semana que antecedeu o Réveillon, mais de 50 embarcações foram fiscalizadas.

Para garantir o índice de zero acidente, a Guarda Costeira de Praia Grande, que integra a Guarda Civil Municipal (GCM), desenvolveu um esquema especial para o fim de ano, totalizando 442 embarcações vistoriadas no mês de dezembro, conforme balanço apresentado na sexta-feira (4) pelo inspetor do grupamento, Delfo Monsalvo, ao comando da corporação.

Ele explicou que houve uma diminuição em relação ao mesmo período do ano passado, em especial no final de semana do Revéillon, quando à época foram fiscalizadas cerca de 100 embarcações. “Esse decréscimo se deve ao fato de que as pessoas que estão irregulares com suas embarcações já nem procuram mais as praias da nossa Cidade, consequentemente, o fluxo de uma forma geral diminui”.

Não há registro de acidentes com embarcações na cidade desde o ano 2000. (Foto: Divulgação/ PMPG)

De acordo com Monsalvo, a intensificação do trabalho foi possível graças às escalas extras de pessoal. “Mantivemos seis agentes voltados a esse trabalho: dois na base da Guarda Costeira, dois na faixa de areia e dois em um barco na direção da área de entrada das embarcações. O resultado foi muito positivo, pois não havia como não passar pela fiscalização e não receber nossas orientações”.

O inspetor acredita que nos próximos finais de semana, o movimento se mantenha intenso, porém sem ocorrências graves. Durante todo o ano de 2012, conforme o levantamento, foram 4.172 embarcações vistoriadas.

O comandante da GCM, Marco Alves dos Santos, observou que a preocupação com a segurança de banhistas e dos condutores dessas embarcações é constante. “O número de notificações relacionadas às infrações acaba sendo bem baixo em relação ao fluxo. Em dezembro, por exemplo, foram apenas duas”.

Praia Grande é a única Cidade do Estado de São Paulo – e primeira do Brasil - a assumir a responsabilidade da fiscalização por sua área marítima, medida adotada em 2000, quando o Grupamento de Guarda Costeira da Guarda Civil Municipal (GCM) passou a exercer oficialmente essa função.

Diariamente, a Guarda Costeira realiza rondas de fiscalização na área marítima de Praia Grande, abordando embarcações suspeitas para verificação de documentos e equipamentos. O limite para navegação dessas embarcações é de 200 metros após a linha de arrebentação, ou seja, 200 metros após a última linha de quebra de ondas.

O Decreto Municipal nº 2136, de 15 de junho de 1993, regulamenta a entrada de embarcações esportivas no Município. Para entrar em Praia Grande, essas embarcações devem passar obrigatoriamente pela base da Guarda Costeira, localizada entre as avenidas Costa Machado e Brigadeiro Faria Lima, no Canto do Forte. Não há qualquer outra entrada permitida. Embarcações que forem flagradas entrando em área marítima fora da entrada legal são multadas e as embarcações que entram pela área regulamentada têm documentação e equipamentos de segurança obrigatórios checados, e seus proprietários são orientados sobre as peculiaridades de navegação no Município.