Portuários apoiam prefeito de Santos

Sindicalistas tomaram a iniciativa após a suspensão da lei municipal que proibia a operação de grãos no bairro

Comentar
Compartilhar
31 JAN 201423h38

O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, ganhou o apoio dos trabalhadores portuários na queda de braço que trava com a Secretaria Especial de Portos (SEP) sobre a proibição da instalação de terminais de exportação de grãos na região da Ponta da Praia, no Porto de Santos.

A decisão foi tomada na última terça-feira, dia 28, durante reunião realizada na sede do Sindicato dos Empregados na Administração Portuária (Sindaport). O encontro contou com a participação de dirigentes dos sindicatos dos Estivadores, dos Operários Portuários em Capatazia (Sintraport), dos Operadores de Guindastes e Empilhadeiras (Sindogeesp), Consertadores de Carga, Vigias Portuários, Conferentes de Carga, Descarga e Capatazia, e Trabalhadores de Bloco, além da entidade anfitriã.

A iniciativa foi tomada após o ministro do STF, Ricar-do Lewandowski, a pedido da presidente Dilma Rousseff, conceder liminar suspendendo a eficácia de lei municipal, aprovada pela Câmara de Santos, em novembro. A legislação proibia a operação de grãos na Ponta da Praia.

Com a decisão do STF, o Governo Federal poderá prosseguir a licitação do Porto de Santos e dar continuidade ao corredor de exportação de grãos em área inadequada por décadas, aumentando ainda mais os conflitos.

Lei municipal que proibia a instalação de novos terminais no bairro foi aprovada pela Câmara em novembro (Foto: Matheus Tagé/DL)

Para o presidente do Sindaport, Everandy Cirino dosSantos, o Governo Federal não deve interferir no cotidiano da Cidade. “A movimentação de cargas naquela extremidade do Porto vem causando sérios transtornos aos moradores sem falar nos impactos socioambientais causados ao bairro da Ponta da Praia e alguns outros limítrofes”, explica.

A opinião é reforçada pelo presidente do Sindogeesp, Guilherme do Amaral Távora. “A qualidade de vida e o respeito ao meio ambiente devem estar rigorosamente alinhados ao progresso e ao desenvolvimento da atividade portuária”, ressaltou. Segundo ele, outros seguimentos da economia local deveriam apoiar o prefeito.

Marco Antônio Sanches, presidente do Sindicato dos Conferentes, avalia que Paulo Alexandre está correto em defender os interesses da população. “É evidente que os avanços do porto estão diretamente ligados ao crescimento da Cidade, e a proliferação de prédios naquela região é umclaro exemplo disso”. Para o dirigente, as partes devem buscar o diálogo na tentativa de colocarem um ponto final na disputa.

O apoio das entidades laborais será dirigido ao prefeito de Santos através de um manifesto assinado pelos respectivos presidentes. “É importante que o prefeito saiba que somos solidários a causa e por tal nos colocamos à disposição da municipalidade”, concluiu o presidente do Sindicato dos Estivadores, Rodnei Oliveira da Silva.

Sadao lança abaixo-assinado

O vereador e presidente da Câmara, Sadao Nakai (PSDB), está mobilizando a população para se manifestar sobre os impactos causados ao meio ambiente, à saúde e à qualidade de vida dos santistas, em virtude da operação de grãos no cais. Para isso, criou uma petição pública (abaixo- assinado online) pedindo a proibição de granéis sólidos no corredor de exportação da Ponta da Praia. Para assinar, basta acessar o endereço: http://www. peticaopublica.com.br/ pview.aspx?pi=BR69110).

Além de solicitar a colaboração dos moradores assinando o documento digital, Sadao também pede o apoio da população para divulgar a petição. Junto com o documento há um ícone (envelope) que ao ser clicado remete para uma página que permite compartilhar o abaixoassinado para os endereços cadastrados na conta de email do usuário dos serviços Gmail, Hotmail e Yahoo.