Raio-X DL: População questiona placas de obras na Cidade

Publicidade está espalhada ao longo da Avenida Monteiro Lobato, no bairro Agenor de Campos

Comentar
Compartilhar
17 MAI 201511h09

Quem passa pela Avenida Monteiro Lobato, no bairro Agenor de Campos, em Mongaguá, se depara com uma fila de placas que indicam a realização de diversas obras. A cena chama a atenção, inclusive dos moradores, que não sabem dizer onde ficam os serviços descritos. Descontentes com as propagandas, os munícipes apontam problemas na Cidade.

“É só placa. É placa demais e obra de menos. Não sei onde está tudo isso que está escrito aí. Se você encontrar uma obra dessas me avisa. A Cidade está largada. Olha essa avenida (Monteiro Lobato) está cheia de buracos. Faz tempo que não vê manutenção”, disse o aposentado Alfredo Faria.

À espera de atendimento no Pronto-Socorro de Agenor de Campos, a dona de casa, Sheila Mingoranci, desconhece as obras apontadas nas placas da Prefeitura de Mongaguá. “É uma poluição de placa e a gente não vê obra. O outro prefeito foi condenado por causa de placas. Lá está dizendo que estão construindo uma unidade de saúde, mas não sei onde fica. A Cidade não vai pra frente”, disse.

Sheila criticou a falta de hospital e prontos-socorros na Cidade. “No pronto-socorro de Agenor às vezes não tem médico e o povo vai para Vera Cruz que fica longe. O nosso maior problema em Mongaguá é a saúde. Tudo demora. Quem precisa ganhar bebê vai para Itanhaém ou Praia Grande porque aqui não tem maternidade. A obra da UPA está parada há anos. Quando a gente precisa de atendimento mesmo tem que ir para Santos”, afirmou.

O aposentado Gustavo Biasi também reclamou da Saúde de Mongaguá. “Faz 45 minutos que estamos esperando atendimento. Não falaram quanto tempo mais vai demorar. Com essa epidemia de dengue o pronto-socorro vive cheio. Se a UPA já estivesse pronta já desafogaria aqui”, disse.

Biasi mora na Estrada da Fazenda, em Agenor de Campos. A via dá acesso a uma cachoeira, no entanto, o progresso não deu as caras por lá. “Não tem esgoto. Não tem saneamento. O esgoto é a céu aberto. Quando chove alaga tudo. Já pensamos fazer um protesto para ver se chama a atenção. As praças, os moradores têm que limpar. A Cidade está abandonada”, desabafou.

O aposentado relatou ainda que o controle da dengue no Município é deficitário. “Agente da dengue não passa. Os terrenos estão cheios de mato e água parada. Lá na rua tem uma casa que 10 pessoas já pegaram a doença. A quem vamos recorrer?”, questionou. 

População desconhece obras descritas em placas da Cidade (Foto: Matheus Tagé/DL)

Placas

As placas instaladas ao longo da Avenida Monteiro Lobato indicam diversas obras. Entre elas, a construção da Unidade de Saúde de Agenor de Campos, a reforma da Agência de Correios de Agenor de Campos e a reforma da EMEF Regina Maria.

Os dispositivos de propaganda não disponibilizam os valores das obras, bem como o prazo de início e conclusão dos serviços. As placas estão distribuídas em uma distância de aproximadamente cinco metros uma da outra. Confeccionados em branco e azul, elas contêm o brasão da Prefeitura e a frase: “+ uma obra do governo municipal”.

Reeleito em 2012, o ex-prefeito Paulo Wiazowski Filho (DEM) teve o registro de candidatura cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral no Estado de São Paulo.

A cassação do registro de candidatura de Wiazowski e seu vice Uilson Aparecido Machado (PSD) foi motivada pela realização de propaganda de obras e serviços da Prefeitura nos três meses anteriores às eleições, o que é proibido por lei (art. 73, inciso VI, alínea “b”, da Lei 9.504/97). A vaga foi assumida pelo atual prefeito, segundo colocado nas eleições, Arthur Parada Prócida (DEM).

Sem resposta

Procurada, a Prefeitura de Mongaguá não respondeu até o fechamento desta edição. O Diário do Litoral questionou a Admistração Municipal sobre as reclamações da população contidas na matéria.

UPA segue abandonada e sem previsão de término

2011, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Mongaguá, no bairro Agenor de Campos, saiu do papel, mas está abandonada. Cercada de tapumes, a obra localizada na Avenida Monteiro Lobato está inacabada, com mato alto e restos de material de construção espalhados. Segundo os moradores, desde que o atual prefeito, Artur Parada Prócida (PSDB) assumiu, os serviços estão paralisados.

A previsão de entrega do equipamento era até outubro de 2012, o que não ocorreu. Com apenas dois prontos-socorros, sem maternidade e um hospital para emergências — onde os pacientes aguardam vagas em unidades de outros municípios — a UPA daria um folêgo para os atendimentos de urgência.

Em abril do ano passado, o Diário do Litoral publicou matéria sobre o abandono das obras da UPA. Na oportunidade a Prefeitura Municipal informou que, após assumir o Governo Municipal, o prefeito Prócida solicitou recursos ao Ministério da Saúde para concluir a obra, mas não obteve êxito. O prefeito então recorreu ao Estado. O secretário estadual de Saúde, David Uip, afirmou que o Município receberia os recursos que faltam para terminar a obra. A Prefeitura precisa de aproximadamente R$ 1,5 milhão para concluir a UPA.

A obra da UPA de Mongaguá teve início no dia 1º de setembro de 2011. O prazo de entrega era previsto para 300 dias depois. O valor total da obra era de R$ 2.908.742,94, sendo R$ 1.400,00 de recursos do Governo Federal. Questionada novamente sobre a situação da obra, a Prefeitura de Mongaguá não respondeu até o fechamento desta edição.