Ponta da Praia terá mobilização contra o mosquito Aedes aegypti

Como a Ponta da Praia tem muitos imóveis, a ação é dividida em dois dias – sendo a segunda parte do mutirão prevista para 22 de julho

Comentar
Compartilhar
14 JUL 2020Por Da Reportagem22h00
Nesta quarta (15), das 9h às 17h, 63 agentes de combate a endemias farão vistorias em imóveis e estabelecimentos comerciaisFoto: Divulgação/PMS

O bairro Ponta da Praia passará por duas semanas intensas de vistorias e ações contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya, zika e febre amarela urbana. Nesta quarta-feira (15), será realizada a primeira parte do mutirão no bairro.

Como a Ponta da Praia tem muitos imóveis, a ação é dividida em dois dias – sendo a segunda parte do mutirão prevista para 22 de julho. Já na segunda-feira (20), imóveis localizados em algumas quadras do bairro passarão por aplicação de inseticida (mais detalhes abaixo). Em 2020, a Ponta da Praia registrou quatro casos de dengue e dois de chikungunya.

Mutirão

Nesta quarta (15), das 9h às 17h, 63 agentes de combate a endemias farão vistorias em imóveis e estabelecimentos comerciais para orientar e, eventualmente, eliminar situações que favoreçam o acúmulo de água, que permitem a reprodução do mosquito, já que a fêmea deposita os ovos em água parada.

Os profissionais da Secretaria de Saúde partirão do Complexo Esportivo e Recreativo Rebouças e percorrerão os imóveis localizados no entorno deste equipamento até o limite com as avenidas Afonso Pena, Coronel Joaquim Montenegro, Mário Covas e Rua Egídio Martins.

Também serão percorridos os imóveis localizados no lado ímpar da Avenida General San Martin e na avenida da orla (da General San Martin até a avenida portuária). No dia 22, será a vez do restante do bairro.

Este será o oitavo mutirão realizado em Santos neste ano. Nas ações anteriores, 418 focos com larvas já foram eliminados.

Para a segurança de todos em momento de circulação do novo coronavírus, as vistorias são realizadas apenas nas áreas externas das casas e nas áreas comuns dos condomínios.  Além disso, os profissionais usam máscara, luvas e álcool em gel 70%. Os agentes estão identificados com uniforme (colete verde) e crachá.

Os pedestres receberão material informativo sobre as doenças transmitidas pelo inseto – tarefa a cargo da equipe de Informação, Educação e Comunicação (IEC).
 
Nebulização

Na próxima segunda-feira (20), alguns imóveis da Ponta da Praia passarão por aplicação de inseticida. São locais que estão no entorno da residência de dois moradores da mesma família que contraíram chikungunya.

Pela primeira vez, será utilizado o inseticida Cielo, fornecido pelo Ministério da Saúde em substituição ao Malathion, para uma melhor eficácia da ação, que será supervisionada ainda por técnicos da Superintendência de Controle de Endemias do Estado de São Paulo (Sucen).

Partindo da Praça Engenheiro José Rebouças, o inseticida será aplicado nos imóveis localizados nas três quadras mais próximas, compreendendo a Avenida Fernando Costa, Rua Vereador Henrique Soler, Rua Amélia de Leuchtemberg, Rua André Rebouças, Rua Venâncio José Lisboa e Rua Maria Máximo.

O inseticida é aplicado em determinados locais da residência, em especial áreas abertas como quintais, frente e corredores.

No momento da nebulização, todas as pessoas devem sair do local, ao qual só devem retornar meia hora depois de terminada a aplicação do inseticida. Roupas devem ser tiradas do varal previamente. Alimentos, bebedouros e comedouros de animais devem ser guardados. Animais de estimação também não devem ser expostos à pulverização. Portas e janelas devem permanecer abertas.

Vale lembrar que a aplicação de inseticida é uma estratégia adotada a partir de protocolos, não havendo qualquer indicação para uso indiscriminado.