Polícias prometem mais empenho na segurança da ZN

Foi somente essa promessa que quase 80 moradores obtiveram dos representantes das polícias Civil e Militar, na audiência pública realizada ontem na Câmara

Comentar
Compartilhar
19 OUT 2017Por Da Reportagem10h00
Polícias prometem mais empenho na segurança da ZNFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Mais empenho no combate à criminalidade da Zona Noroeste. Foi somente essa promessa que quase 80 moradores obtiveram dos representantes das polícias Civil e Militar, na audiência pública realizada ontem na Câmara, que visava encontrar alternativas e cobrar das autoridades mais segurança na região. O encontro foi presidido pelo vereador Sérgio Santana (PR), presidente da Comissão Permanente de Fiscalização, Combate às Drogas e Segurança Pública.

Os moradores esperavam ações mais efetivas e alguns saíram do encontro decepcionados. O subcomandante do 6º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPMI), major Renato Fincatti, disse que o importante foi a interação com os moradores para saber quais as maiores reivindicações. “Vamos nos aproximar mais e melhorar o trabalho que já está sendo feito”, revelou.

O delegado seccional Manoel Gatto Neto disse que, na medida do possível, o 5º Distrito Policial estará recebendo reforços. “Acabou de receber mais um escrivão. A gente acompanha de perto todas as ocorrências e as respostas estão sendo satisfatórias. Estamos combatendo o tráfico e uso de drogas na região, além dos crimes contra o patrimônio (furto e roubo)”, disse, adiantando que não há possibilidade a abrir o distrito à noite, finais de semana e feriados, por ser uma determinação do Governo Estadual.          

O vereador Sérgio Santana acredita que a audiência foi proveitosa. “As reivindicações foram trazidas para as autoridades policiais e acredito que ações serão realizadas a partir do que foi revelado pelos moradores”.    

A insegurança da Zona Noroeste vem sendo objeto de várias reportagens do Diário do Litoral nos últimos dias, mostrando que os moradores estão refém do crime. Moradores, estudantes, professores e alunos são unânimes em afirmar que a situação na Zona Noroeste é insustentável. Os marginais estão agindo livremente, invadindo casas, escolas, comércios e roubando tudo, além de praticarem assaltos de manhã, à tarde e à noite.

Colunas

Contraponto