Polícia faz reconstituição do incêndio na Boate Kiss

Testemunhas indicaram aos policiais o local exato de onde o fogo começou.

Comentar
Compartilhar
31 JAN 201310h38

A Polícia Civil fez nesta quarta-feira (30) uma reconstituição do incêndio da Boate Kiss, ocorrido na madrugada de domingo (27). Testemunhas indicaram aos policiais o local exato onde o fogo começou – no teto sobre o palco onde estava o vocalista da banda  – e relataram que o extintor de incêndio usado por um dos músicos não funcionou.

Além da reconstituição, também foram ouvidas 14 pessoas pela polícia. Os depoimentos mostraram que a fumaça preta tomou toda a boate no prazo de 40 segundos a um minuto, impedindo as pessoas de enxergarem.

“Isso explica de as pessoas terem ido para o banheiro. Uma pessoa disse que as únicas luzes que se enxergavam era a luz verde do banheiro e uma luz verde em outro local. Eles foram conduzidos para o banheiro pensando que fosse a saída”, disse o delegado regional da Polícia Civil, Marcelo Arigony.

Os funcionários que prestaram depoimento disseram ainda que nunca receberam nenhum tipo de treinamento contra incêndio, e que na noite da tragédia foram preparadas mil comandas para o público, acima da capacidade da casa, de 691 pessoas. No entanto, ainda não se sabe se todas foram usadas.

 Interior da Boate Kiss destruída pelo incêndio da madrugada de domingo (27) (Foto: Wilson Dias/ ABr)

Um dos funcionários disse que ele próprio instalou a espuma isolante no local, utilizada como proteção acústica desde meados de 2012.  Há indícios, segundo a polícia, de que o material usado não era adequado e durante a queima produziu gases tóxicos, que provocaram as mortes. Segundo as investigações, ainda não há comprovação de que as autoridades tenham sido avisadas da instalação do produto.

O advogado Jader Marques, que representa Elissandro Callegaro Spohr - um dos sócios da Boate Kiss -, disse hoje que o cliente contou com a assessoria de especialistas para comprar a espuma. Ele não informou, no entanto, os nomes dos profissionais e nem se a boate comunicou à prefeitura ou aos bombeiros a instalação do produto.

“Na verdade, tudo que estiver fora do plano técnico da boate, porque é um estabelecimento que vai receber o público, ele tem que obedecer ao plano aprovado pelo bombeiro, e pela prefeitura. Tudo que está fora disso eu diria que é amador, é irregular”, disse o delegado Arigony.

De acordo com o delegado, existem indícios de que a casa nortuna estava com público acima do permitido. Em entrevista, o secretário de saúde da cidade informou que foram feitos 500 atendimentos (nos hospitais) no dia da tragédia. "Quinhentos [atendimentos] mais duzentos e tantos [mortos}, a capacidade era 691, então já extrapolou”, ressaltou Arigony.