Pocinho: a calmaria encontrada por Anchieta

Local é considerado ambiente tranquilo para o banho de mar; atrativo fica na Praia de Cibratel

Comentar
Compartilhar
27 FEV 2017Por Da Reportagem10h00
Pocinho de Anchieta, localizado na Praia do CibratelPocinho de Anchieta, localizado na Praia do CibratelFoto: Divulgação

Pedras dispostas umas sobre as outras formam uma piscina natural. Esta foi a maneira encontrada pelos índios, instruídos pelo Padre José de Anchieta, para o aprisionamento dos peixes durante o inverno, quando a pesca era mais abundante. O famoso local é conhecido como Pocinho de Anchieta, localizado na Praia do Cibratel, e atualmente frequentado principalmente por famílias com crianças, por tratar-se de um ambiente calmo para o banho de mar e repleto de histórias presentes no mar e na areia.

Por causa da formação destas pedras, o fluxo de água e a força das ondas são menores, transformando o local em um grande lago de água salgada, perfeito para a diversão de crianças e idosos, ou até mesmo de quem prefere um local mais tranquilo. A extensa faixa de areia também ajuda a compor o visual da praia e transformá-la numa das paisagens apreciadas por moradores e visitantes. É o que conta a frentista de um posto de gasolina, Gislaine Moreira de Almeida, de 25 anos, que aproveita o dia de folga para curtir na praia.

“Escolhi estar aqui por causa do meu filho de 6 anos, que é apaixonado por esta praia porque brinca bastante tanto na água quanto na areia.  Quando consigo reservar um tempo para vir a este local, ele – o menino – fica muito contente e eu mais ainda porque tenho a oportunidade de presenciar o divertimento dele”, explica Gislaine, que é moradora do Gaivota.

Quem está no Pocinho pode emendar o passeio até o Morro do Paranambuco, localizado entre a Praia do Cibratel e a Praia do Sonho. Do local também é possível visualizar a famosa Passarela e a Cama de Anchieta, um dos principais locais visitados por São José de Anchieta, canonizado em 2014, pelo papa Francisco, como o terceiro santo brasileiro.

“Sou autônoma, mas no momento tenho trabalhado com vendas e catálogos. Moro no Gaivota, porém não abro mão de visitar este ponto, ou melhor, estes pontos. Itanhaém é uma Cidade rica em história e a população precisa estar por dentro de tudo que tem a ver com o Município”, conclui Heliangelis Silva Macedo, de 29 anos.