Plástico representa 48% do lixo nas praias de Santos

Dados do IMA também apontam grande presença de bitucas na faixa de areia e calçadão da cidade em 2019

Comentar
Compartilhar
23 JAN 2020Por Da Reportagem07h30
Desde 2013, o IMA realiza mensalmente ações de limpeza nas praias santistas, a fim de diminuir a incidência do microlixoFoto: Divulgação

Enquanto a Ciência estuda substitutos e maneiras de acelerar a decomposição do plástico, que serve de matéria-prima para a fabricação dos mais variados objetos, campanhas disseminam a importância da reciclagem em todo o mundo. Mesmo assim, é possível que a Terra passe de Planeta Água a Planeta Lixo até 2050, com a presença de plástico superando a de peixes nos oceanos. A informação foi divulgada em 2018 pelo Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça.

O problema parece distante, mas já pode ser percebido em Santos. De acordo com dados do Instituto Mar Azul (IMA), quase metade de todo o microlixo recolhido nas praias de Santos em 2019 era plástico. "Estamos falando em 82.639 fragmentos, que equivalem a 48% do total. Como o nosso foco é o microlixo, esse número se torna ainda mais absurdo e alarmante", afirma o diretor presidente da ONG, Hailton Santos.

Desde 2013, o IMA realiza mensalmente ações de limpeza nas praias santistas, a fim de diminuir a incidência do microlixo e promover a conscientização de banhistas, turistas e ambulantes. "Quando um resíduo entra em decomposição, vai se quebrando em pedaços bem pequenos que se espalham com o vento e a movimentação da areia. Os equipamentos de limpeza urbana não conseguem recolher esses fragmentos, e eles acabam chegando ao mar. Por isso, é importante descartar corretamente o lixo", explica. É aqui o início do problema apresentado em Davos.

O plástico puro geralmente possui baixa toxicidade. Mas, os resíduos fabricados a partir dele contém aditivos que podem ser altamente poluentes. Dessa forma, o microlixo põe em risco a saúde de quem frequenta a praia, contribui para a contaminação das águas e representa uma séria ameaça à vida marinha.

A porcentagem de plástico coletada nas praias de Santos no ano passado é um dos resultados do Projeto Microlixo, que identifica e quantifica, todos os anos, os principais resíduos sólidos descartados irregularmente na faixa de areia e calçadão. Logo abaixo, aparecem as bitucas de cigarro (61.091 ou 35%), hastes de cotonetes (2.715 ou 2%), metais diversos (2.298 ou 1%) e fragmentos de papel (2.055 ou 1%). Outros itens somam 22.690 ou 13%, completando o total de 173.488 fragmentos recolhidos em 19 ações, entre o Aquário de Santos e a divisa do município com São Vicente.

Mutirão

Iniciando o Projeto Microlixo 2020, o IMA realiza o 1º Mutirão de Limpeza de Praia do ano neste sábado (25). A concentração será no Canal 4, na faixa de areia, a partir das 9h. A coleta deve ser iniciada às 9h30 e segue até o Ecopeixe (Canal 3).