Piscina do Rebouças vaza 375 mil litros de água por mês

A situação já foi denunciada ao Ministério Público. Em dois anos, foram gastos cerca de R$ 300 mil só com reposição de água

Comentar
Compartilhar
26 OUT 2020Por Carlos Ratton19h37
Apesar do equipamento estar na garantia, os vazamentos nunca foram sanados, com baixas de até 30 centímetros do nível da piscinaFoto: Nair Bueno/DL

A reforma da piscina olímpica pública do Centro Esportivo e Recreativo Rebouças custou R$ 7 milhões (65% acima do valor original) e, no entanto, desde sua entrega – em 24 de janeiro do ano passado – é responsável por vazamentos permanentes e constantes de alto volume de água: 375 mil litros por mês, causando prejuízo financeiro ao erário (R$ 27,8 mil em 30 dias), além do desperdício de água. 

A situação já foi denunciada ao Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE-SP). Em dois anos, a Administração teria gasto cerca de R$ 300 mil (R$ 296.977,50) só com a reposição de água, contrariando diversas campanhas da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) contra o desperdício.     

À frente da denúncia está o funcionário público estadual, Ernesto Donizete da Silva, e o empresário Marcelo Gomes Coelho (candidato a prefeito de Santos). Eles pedem ao MPE-SP a abertura de ação civil pública para responsabilizar o prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) e o secretário de Esportes Gelásio Ayres Fernandes Júnior, por falta de uma ação definitiva para resolver a questão. 

Também do diretor-presidente da Sabesp, Benedito Braga, e o diretor-presidente da Arsesp (Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo), Hélio Luiz Castro, pela falta de fiscalização. Por último, o responsável pela Inaplan (empresa que fez a reforma), Antônio César do Nascimento, por entregar uma obra que apresenta problemas desde o início e não resolvê-los. 

Eles acreditam que houve supostos crimes de peculato em atos de improbidade administrativa, de responsabilidade e infrações político-administrativas.

DOSSIÊ.
Repleta de fotografias, inclusive aéreas, cálculos e até contas de água pagas pela municipalidade, os denunciantes informam o MPE que, apesar do equipamento estar na garantia, os vazamentos nunca foram sanados, com baixas de até 30 centímetros do nível da piscina – área de dois azulejos. 

Alertam ainda da possibilidade de, ao longo de quase dois anos, ser usada uma conexão hidráulica que não passa pelos hidrômetros do equipamento e que 150 mil metros cúbicos de água potável foram usados para encher a piscina somente em julho deste ano.

Donizete e Coelho afirmam que a Administração Pública não só deixou de cobrar da empresa (Inaplan) a reparação dos vazamentos, como escondeu dos munícipes o desperdício, que se convertido com base na tarifa cobrada pela Sabesp, seria gigantesco e causaria prejuízos de ordem financeira aos cofres públicos. 

“Se não passa pelo hidrômetro, em tese, há um ilícito com repercussão na esfera penal, por envolver um equipamento municipal e agentes públicos”, afirmam. 

SOLO.
Outro problema grave apontado pelos denunciantes gerado pelo vazamento são os volumes de água que atingem o subsolo do Rebouças e todo o seu entorno que possui imóveis particulares.

“A situação provoca risco à segurança pois há possibilidade real de erosões. Ressalta-se que o Rebouças não possui Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), instrumento que permite seu funcionamento”, acrescentam. 

Em consulta a um engenheiro civil, os denunciantes tiveram ainda a informação que os reparos seriam dificilmente realizados, pois a falha teria ocorrido na forma da construção e no material usado na piscina, que não seria ideal para o terreno santista. 

Além da responsabilidade de todos os envolvidos, Donizete e Coelho pedem ao MPE-SP que, numa possível ação, os cofres públicos sejam ressarcidos; que multas sejam estipuladas; que os bens dos acusados fiquem indisponíveis e que os agentes públicos percam cargos ou função pública, além de ficarem inelegíveis. 

SABESP/ARSESP.             
A Sabesp informa que instalações hidráulicas internas de imóveis, como no caso citado, são de responsabilidade de seus proprietários (Prefeitura), conforme a Deliberação 106 da Arsesp (artigo 115), não tendo a Companhia poder para vistoriar ou fiscalizar esses locais.

Por sua vez, a Arsesp afirma que acompanha e fiscaliza o cumprimento dos contratos firmados entre municípios e prestadores de serviços de saneamento, também acompanha o cumprimento de metas estabelecidas nesses contratos, destacando-se a cobertura dos serviços de água e esgoto, o nível de tratamento de esgoto e o índice de perdas. 

No entanto, explica que de acordo com a Deliberação 106, artigo 115, é de responsabilidade do usuário (Prefeitura) a adequação técnica, a manutenção e a segurança das instalações internas da unidade usuária, situadas após ponto de entrega de água e antes do ponto de coleta de esgoto. “Não cabe à Arsesp realizar este tipo de fiscalização”, conclui. 

A Reportagem tentou obter uma posição da Inaplan, mas não obteve retorno.

Nota oficial da Prefeitura de Santos:

A Prefeitura de Santos informa que não há, até o momento, nenhum questionamento do Ministério Público a respeito do tema, nem qualquer outro registro de reclamação sobre o assunto.

A denúncia, originada por um candidato a prefeito, é absolutamente infundada, pois aponta um suposto vazamento de água de enormes proporções na piscina olímpica pública do Centro Esportivo e Recreativo Rebouças. 

O volume de água citado como perdido (375 mil litros por mês) é muito grande. Fazendo uma comparação com uma caixa d’água de mil litros, o volume apontado como supostamente desperdiçado corresponderia a um total de 12 caixas d’água e meia por dia. Um vazamento dessa magnitude formaria um volume de água que alagaria toda a área técnica e a casa de bomba. Fato esse que seria facilmente percebido pelos usuários e pela equipe de manutenção do Complexo. A reportagem pode, inclusive, visitar o local para constatar que a denúncia é absolutamente improcedente. 

A piscina foi entregue em janeiro de 2019 e desde então todas as intercorrências identificadas pela Secretaria Municipal de Esportes (Semes) foram devidamente comunicadas e solucionadas pelas construtoras, dentro da garantia de cinco anos da obra e sem custos para o Município. 

A piscina olímpica do Rebouças comporta 2 milhões e 500 mil litros de água, sendo necessário considerar diversos fatores que impactam no consumo de água e que podem, eventualmente, provocar perdas de água.
A perda técnica normal, prevista para esse volume, é de cerca de 2%, ou seja, 50 mil litros/mês. Isso se dá por diversos fatores: perdas durante os processos de retrolavagem e filtragem, na entrada e saída das pessoas na piscina, e também com evaporação da água quente, porque a piscina é aquecida e o ambiente é aberto nas laterais.

Cabe ressaltar também que a Semes realiza manutenção periódica da piscina e dos seus equipamentos com objetivo de identificar e dar solução imediata para qualquer problema. A Administração Municipal faz o controle mensal e rigoroso dos gastos de água em todos os equipamentos municipais, incluindo o Complexo Esportivo Rebouças, obtendo resultados significativos na redução de despesas."