Cotidiano

Piloto do Cadastro Estadual de Museus é lançado em Santos

Cadastro sintetizará informações sobre museus do Estado a partir do primeiro semestre de 2017

Rafaella Martinez

Publicado em 14/07/2016 às 10:00

Comentar:

Compartilhe:

Lançamento da fase piloto do cadastro aconteceu na AGEM, a convite da Câmara Temática de Cultura do Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista / Rodrigo Montaldi/DL

Dos registros dos primórdios da expansão do Porto até um espaço para estudo das ciências do mar, passando pelas memórias dos lendários títulos futebolísticos do Santos F.C. e do Rei Pelé, a Baixada Santista registra ao menos 25 museus das mais diferentes vertentes. E foi justamente por conta de sua riqueza museológica que a região foi escolhida para sediar o lançamento da fase piloto do Cadastro Estadual de Museus.

O principal objetivo da iniciativa do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP) é sistematizar informações sobre os espaços museológicos paulistas a fim de contribuir com o desenvolvimento e formulação de políticas públicas para o setor. O sistema deve começar a funcionar a partir do primeiro semestre de 2017.

O encontro aconteceu na sede da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Baixada Santista (AGEM) a convite da Câmara Temática de Cultura do Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (CONDESB). Participaram dos painéis de debate representantes dos museus existentes nos municípios, gestores culturais e demais interessados na área.

Na visão da coordenadora da Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico de São Paulo, Renata Vieira da Mota, a região foi escolhida por reunir um conjunto diversificado de museus. “Começamos por um recorte regional justamente por conta da importância da Baixada Santista. O cadastro é uma ferramenta de política pública aguardada há 30 anos que mapeará as informações sobre os museus existentes em cada uma das regiões do Estado de São Paulo”, destaca.

Para a coordenadora, o cadastro possibilitará ao poder público definir melhor as ações técnicas de políticas públicas para qualificação dos museus “Os espaços ainda enfrentam muitos desafios de se modernizarem e se qualificarem, mesmo exercendo um papel importante na vida cultural das cidades em que estão localizados. Queremos capacitar melhor os profissionais que trabalham nesses espaços e mobilizar mais recursos para os museus”.

Os recursos, de acordo com o diretor do grupo técnico de coordenação do Sistema Estadual de Museus, Davidson Panis Kaseker, são provenientes de linhas de ações específicas, como o PROAC Editais e ICMS, uma vez que não há orçamento específico para esses museus. “Além disso, é fundamental uma vontade política de eleger os museus como prioridade dentro de uma perspectiva de adotar a cultura como eixo de desenvolvimento”.

Kaseker destaca que é preciso pensar de maneira clara em políticas públicas para a cultura. “Quando vamos abrir uma escola ou um hospital temos um conjunto de regulamentação para serem seguidos. Na área da cultura isso ainda é precário. Precisamos pensar em orientações técnicas e também sinalizar para o poder público municipal as ações estruturantes que eles devem adotar para as melhorias dos museus”, finaliza.

Na região, Orla Cultural luta por representatividade e políticas públicas

Na Baixada Santista, o coletivo Orla Cultural reúne representantes de 15 museus que lutam por políticas públicas e melhorias para o setor. Criado há quatro anos, o movimento busca soluções para os obstáculos enfrentados cotidianamente, como a falta de funcionários e segurança.

“Acreditamos que esse novo cadastro auxiliará nessas questões. A nossa luta é buscar junto aos gestores municipais essa proteção, pois precisamos de recursos. Precisamos de equipamento de segurança e monitoramento, ações educativas, preservação, reserva técnica e gestão”, destaca Maria de Lourdes Marszolek Bueno, idealizadora do Orla Cultural.

História

O Programa de Modernização de Museus Paulistas, realizado pelo SISEM-SP em parceria com a ACAM Portinari, tem com o objetivo de qualificar e fortalecer tecnicamente os museus paulistas. Em 2012, o Programa voltou-se à área de comunicação dos museus, identificando situações e elaborando diagnósticos de forma a planejar diretrizes para potencializar a comunicação institucional.

O Programa atuou junto às 19 instituições museológicas da Baixada Santista, sendo que 7 delas receberam um diagnóstico e diretrizes específicas da sua comunicação institucional – Museu da Cidade/Galeria Nilton Zanotti (Praia Grande), Casa Martim Afonso (São Vicente), Pinacoteca Benedito Calixto, Memorial das Conquistas, Museu do Mar e Marítimo, Museu do Porto e Museu da Pesca (Santos).

Como produto dessa ação, também foi criado o projeto “Orla Cultural” que busca o fortalecimento da presença institucional dos museus da Baixada Santista, por meio de iniciativas compartilhadas.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Pescadores do litoral de SP relatam problemas de saúde após verem OVNI

Um dos homens correu para o porão do seu barco diante do susto

Santos

Baixada Santista recebe IV Semana Tereza de Benguela; veja as datas

Evento contará com uma programação diversificada, incluindo debates, palestras, mesas redondas, oficinas e atividades culturais

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter