PG orienta população sobre venda de lotes clandestinos

Crescimento populacional atrai estelionatários

Comentar
Compartilhar
20 JAN 201311h19

Moradores de Praia Grande serão orientados pela Prefeitura sobre como evitar compras de lotes clandestinos no Município. Para coibir a prática de venda ilegal de lotes conseqüente do crescimento da população da Cidade, Prefeitura e Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci) se reuniram nesta semana. 

O crescimento populacional de Praia Grande, duas vezes maior que o índice apresentado em todo o País (segundo o IBGE, na última década, a Cidade registrou aumento de 26,4%, contra 12,7% anotados no Brasil inteiro).

O delegado regional do Creci de Praia Grande, Augusto Viana Neto, credita o crescimento da prática de venda de lotes clandestinos ao aumento de habitantes do Município. “É muito bom ver essa preocupação partindo da Administração Municipal, uma vez que o assunto é delicado”, afirmou.

Para coibir esta prática, a Prefeitura, por meio das secretarias de Habitação e Meio Ambiente (Sehma) e de Finanças (Sefin), acertou parceria com o Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci). O grupo tem como objetivo conscientizar a população sobre como evitar a compra de áreas ilegais.

“Queremos conscientizar a população para se informarem antes de adquirir um terreno, principalmente para que venha à Prefeitura, verifique se a documentação está correta e se o local pode ser vendido”, informou a secretária de Habitação e Meio Ambiente, Maria Rosinda Campos Johns. “Para isso contaremos com o apoio do Creci para realizar esse trabalho junto aos moradores”.

De acordo com a secretária, o fato de não comprar lotes clandestinos auxiliam a Administração Municipal a evitar uma série de problemas, como o crescimento desordenado da população.

Segundo o chefe da Divisão de Regularização Fundiária da Secretaria de Habitação e Meio Ambiente, Cláudio Antonio Agostinho, a região dos bairros Ribeirópolis, Esmeralda e Melvi, é a que apresenta maior incidência de vendas de lotes clandestinos.

Agostinho orienta que antes de comprar lotes no Município, os interessados se informem sobre a situação do terreno junto à Secretaria de Habitação, no Cartório de Registro de Imóveis e no Creci.

Ainda de acordo com Agostinho, a Prefeitura também conta com suporte do Ministério Público. O Creci irá confeccionar placas e panfletos informativos para serem distribuídos pela Cidade.

Prejuízos

Agostinho alerta que quem adquiriu lote clandestino deve procurar o Cartório de Registro de Imóveis e a Prefeitura para regularizar a situação. “O proprietário de lotes clandestinos pode ter prejuízos financeiros, tendo que pagar novamente pelo terreno ao verdadeiro proprietário. Caso o lote seja área pública ou de preservação ambiental, o novo proprietário não poderá usufruir do terreno”, explicou Agostinho.

Regularização Fundiária

O chefe da Divisão de Regularização Fundiária, Cláudio Antonio Agostinho, afirmou que a Prefeitura está promovendo a regularização de lotes nos bairros da Vila Tupiri 2, Quietude, Jardim Silmara e Caieiras. Mas, ressalta que apenas as ocupações de mais de cinco anos serão regularizadas. “A regularização é só para famílias que residem há mais de cinco anos em loteamentos clandestinos”.

Local de informações

Os interessados em obter informações junto à Prefeitura devem se dirigir à Secretaria de Habitação e Meio Ambiente (Sema), à Avenida Presidente Costa e Silva, 794, 4ºe 6º andares, de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas. Esclarecimentos também pelo telefone 3496-5636.