Praia Grande intensifica ações de combate à dengue

Entre os trabalhos desenvolvidos pelos agentes nas residências, destaque para o bloqueio dos criadouros e eliminação das larvas do mosquito

Comentar
Compartilhar
16 MAI 201513h05

Praia Grande segue intensificando as ações de combate à dengue. As visitas domiciliares realizadas pelos agentes de endemias são parte desse esquema e consideradas de fundamental importância. Os profissionais, que fazem parte da equipe do Centro de Controle de Zoonoses da Secretaria de Saúde Pública (Sesap) da Cidade, estão devidamente uniformizados e com crachá de identificação. Caso o munícipe queira tirar a dúvida de que a pessoa é mesmo um funcionário da Sesap, basta ligar no telefone 3596-1882, que também recebe denúncias de possíveis focos do mosquito Aedes aegypti.

Entre os trabalhos desenvolvidos pelos agentes nas residências, destaque para o bloqueio dos criadouros e eliminação das larvas do mosquito. A ação é considerada a mais eficiente na luta contra a dengue, já que o transmissor da doença está na fase inicial. Os profissionais também vistoriam caixas d’água, calhas e telhados. Quando necessário, aplicam larvicidas e inseticidas.

A coordenadora do Centro de Zoonoses, Maria Fernanda Gonçalves, destacou a necessidade de a população permitir a entrada dos agentes nas residências. “Um grave problema encontrado pelos agentes, além das casas de veraneio que estão fechadas, é que parte da comunidade apresenta resistência em liberar a entrada dos profissionais. O comportamento tem atrapalhado o desenvolvimento das atividades em todo o Município”.

Agentes realizam diariamente visitas domiciliares (Foto: Edmilson Lelo/PMPG)

Maria Fernanda ressaltou que os munícipes devem prosseguir com a vigilância sobre água parada, evitando condições favoráveis de criadouros. “Intensificamos todas nossas ações, principalmente em obras e pontos estratégicos, em várias regiões da Cidade. Os munícipes precisam colaborar. Cada um deve fazer sua parte. Medidas simples como telar ralos, limpar calhas periodicamente e eliminar pratos de plantas fazem grande diferença”. 

O Centro de Zoonoses conta com uma equipe composta por 56 agentes de combate de endemias responsáveis pelas ações contra dengue. O Município tem uma estrutura especial montada para o desenvolvimento das atividades. São cinco veículos utilizados, quatro Kombis e uma S-10. A Sesap dispõe ainda de três máquinas de nebulização, procedimento que é realizado atendendo todas as normas do Ministério da Saúde, responsável pelo fornecimento do produto. 

Por contar com substâncias tóxicas que podem fazer mal à saúde, a nebulização de uma determinada região da Cidade só é autorizada pelo Ministério da Saúde quando ocorre um caso da dengue confirmado na área. O Município não tem liberação para realizar o procedimento em qualquer outra situação.

Os técnicos da Zoonoses explicam que o produto utilizado tem ação residual tóxica que dura até 20 minutos após sua aplicação. Sua eficácia ocorre apenas quando existe o contato direto com o mosquito quando ele está em vôo, ou seja, na fase adulta.

Ações – A Cidade desenvolve constantemente mutirões nos bairros. Outros destaques são as intervenções em pontos estratégicos, tais como cemitério, desmanches de veículos e borracharias. Campanhas educativas nas unidades de saúde e escolas municipais também fazem parte do cronograma de serviços prestados diariamente.

O trabalho no Município não parou em nenhum momento. Mesmo após o fim da epidemia da doença na Baixada Santista em 2013, a Sesap seguiu adotando medidas preventivas. As ações aliadas ao baixo índice de chuvas no verão de 2014 foram determinantes para redução dos casos. Por conta dos estudos sobre os ciclos da doença nos últimos anos, os órgãos reguladores da Saúde consideram 2015 como um período epidêmico, o que implica no aumento do número de casos.