X

Cotidiano

PF descarta sabotagem em avião que matou Campos

As investigações para apurar o acidente, que ainda deixou outras seis vítimas fatais além do presidenciável, incluíram o depoimento de 75 pessoas

Folhapress

Publicado em 09/08/2018 às 11:35

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Após quatro anos, o inquérito aberto pela Polícia Federal para investigar a queda do jatinho que matou, em agosto de 2014, o então candidato à Presidência da República, o ex-governador Eduardo Campos (PSB-PE), foi encerrado sem responsabilizar uma pessoa ou empresa pelo acidente, cuja causa principal pode ter sido tanto mecânica quanto humana. Mas afastou a hipótese de sabotagem.

As investigações para apurar o acidente, que ainda deixou outras seis vítimas fatais além do presidenciável, incluíram o depoimento de 75 pessoas, testes dentro e fora do país, simulações de computador e inúmeros laudos periciais.

Na mesma linha do que já havia concluído o Cenipa, órgão da Aeronáutica encarregado da apuração sob o ponto de vista da prevenção de futuros acidentes, a investigação da PF, que produziu 26 volumes com 4,2 mil páginas, elencou quatro hipóteses principais. Todas, contudo, não puderam ser nem descartadas nem confirmadas pela PF, que também não tem como atribuir um grau de probabilidade para cada uma.

O avião pode ter caído após uma colisão com urubus ou uma manobra para evitar um choque com os pássaros, pela desorientação espacial dos pilotos, por uma pane nos controles de arfagem (movimento de inclinação do avião), em especial no profundor, uma superfície localizada na cauda do avião que faz o nariz do aparelho apontar para cima ou para baixo, ou por uma pane intermitente numa peça ligada ao profundor, o compensador.

Por outro lado, foram descartadas as hipóteses de um golpe de vento, um desbalanceamento, uma falha no estabilizador horizontal, um ato de sabotagem, uma incapacidade ou um suicídio dos tripulantes.

Delegado

O delegado que conduziu o inquérito, piloto por formação e especialista em investigações do gênero -também conduz o inquérito que apura a morte do ministro do STF Teori Zavascki-, Rubens Maleiner, reconheceu que algumas pessoas possam ficar frustradas sem uma solução mais clara sobre o que ocorreu em Santos (SP) às 13h02min do dia 13 de agosto de 2014, quando o jatinho Cessna modelo Citation C560 XLS+, de prefixo PR-AFA, despencou sobre casas em Santos (SP), matando o candidato, o piloto, Marcos Martins, o co-piloto, Geraldo Magela, e os assessores Carlos Augusto Leal Filho, o “Percol”, Alexandre Severo Gomes e Silva, Marcelo Lyra e Pedro Valadares Neto.

“Sei que pode parecer um pouco frustrante, mas temos que comprovar fatos e esse acidente, com toda a complexidade, teve características peculiares. Conseguimos entender bem o que aconteceu, em termos de mecânica do voo e do sinistro, mas isso não significa que conseguimos desvendar por que aquilo aconteceu daquela maneira”, disse o delegado, que apresentou à imprensa os resultados do inquérito ontem no hangar da PF em Brasília, ao lado do perito criminal federal Guilherme Conti.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Armada, 'gangue da bicicleta' rende e rouba família em São Vicente; VÍDEO

O crime aconteceu na Rua Cuiabá na tarde deste sábado (2)

Nacional

Piranhas atacam 11 pessoas no interior de São Paulo

Os ataques aconteceram em Pereira Barreto, no interior de São Paulo

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter