Peixe já está 20% mais caro em média na Região

Os mercados de peixes de Santos e Praia Grande aplicam preços aproximados na Semana Santa

Comentar
Compartilhar
18 JAN 201309h11

A procura já aumentou em mercados de peixe da Região e os preços de alguns peixes, também, em até 25%. Mas, comerciantes contam com a multiplicação das vendas até pelo menos Sexta-feira da Paixão de Cristo, data em que tradicionalmente os pratos de peixe substituem a carne vermelha. Na segunda-feira, apesar da forte chuva, clientes já faziam as compras nos mercados de peixe de Santos e Praia Grande.

Em Santos, pescada, corvina, bagre e robalo, alguns dos peixes mais vendidos para a ceia da Semana Santa, estão com os preços reajustados de 10% a 25% desde a última sexta-feira.

A balconista de um dos boxes do Mercado de Peixes de Santos, Vilani Silva, disse que os preços de alguns peixes foram reajustados na sexta-feira. “Esperamos um aumento de 20% no movimento até domingo”.

Segundo Vilani, o quilo da pescada está custando R$ 14 (era R$ 13); o quilo da sardinha custa de R$ 3,50 a R$ 4; o cação, R$ 12; o quilo da corvina e do bagre grande subiram de R$ 8 para 10.

Vilani citou que o bacalhau abrotea também tem a preferência do consumidor para a ceia de Páscoa. “O quilo do bacalhau abrotea está R$ 8”. Mas, o comerciante do Mercado de Peixes de Santos, Luís Saturno de Lima, afirmou que teve o melhor fim de semana anterior à Páscoa, em comparação com 2009. “O movimento neste fim de semana foi 20% maior em relação a 2009”.

Luís disse que até domingo acredita vender todo o seu estoque, mas afirmou que os mais procurados em seu box são tainha, corvina e cação.

No box de Luís, o quilo da corvina subiu de R$ 8 para R$ 10. O quilo do salmão passou de R$ 18 para R$ 22. Luís explicou que o aumento nos preços deve-se não somente à tradição da Paixão de Cristo, mas pela escassez de alguns peixes como a corvina, devido ao mal tempo.

Luís disse que robalo também tem saída e substitui o bacalhau na mesa das famílias por ser um pouco mais barato. No box de Luís, o quilo do robalo custa R$ 27. Já o camarão tem pouca saída, mas o quilo varia de R$ 15 a R$ 30, com um aumento médio de R$ 4.

Para a dona de casa Maria do Carmo da Conceição da Silva, que estava pesquisando preços, os peixes não estão caros. Ela já tinha passado pela Rua do Peixe, mas prefere comprar no Mercado do Peixe, alguns metros à frente na Ponta da Praia. ”Subiu um pouquinho, mas os preços não estão tão caros”.

O motorista Adílson Almeida Joaquim já antecipou as compras ontem à tarde levando polvo e lula a R$ 13 e R$ 15 o quilo, respectivamente. “O preço está razoável. Comprei agora adiantado, com mais tranqüilidade e no Box que estava mais em conta”, afirmou Adilson. 

“O Mercado do Peixe, da Ponta da Praia, não fechará durante o feriado. Porém funcionará com horários alterados na quarta, quinta e sexta-feira, das 5 às 17 horas. O horário normal é das 6 às 18 horas.

Já no Mercado de Peixe Ocian, em Praia Grande, comerciantes aguardam movimento intenso a partir de quinta-feira, quando começa a descida dos veranistas e turistas da grande São Paulo para o Município.

“As vendas chegam a aumentar 200% na Páscoa”, afirmou o pescador profissional e comerciante, Raimundo Alves Neto, dizendo que o movimento começa na quinta-feira. Mas, embora tenha grande expectativa em relação ao volume de clientes não pretende reajustar os preços dos peixes. “Tenho muito cliente que é morador e também se eu aumentar os preços ninguém compra”.

No Box de Raimundo, o quilo do pescado varia de R$ 10 a R$ 12; o quilo da corvina sai por R$ 8; o cação, R$ 12; o porquinho, R$ 18; o robalo, R$ 18. Porém o quilo do camarão teve um aumento expressivo de R$ 10 para R$ 18. “O camarão está caro por causa do período de defeso. Em maio o preço começa a cair”.

O comerciante Marcos Antonio Oliveira disse que para alguns peixes como a corvina foi repassado aumento de 30%, que está sendo vendida a R$ 9, o quilo. “Mas, a corvina já está mais cara há duas semanas porque está em falta, não é só por causa da Semana Santa”, explicou Marcos Antonio.

No Box de Marcos Antonio, o cação custa R$ 13 (kg); o quilo do pescado inteiro e da tainha grande custa R$ 12 (kg). “Nós vivemos do turismo, então espero um aumento de 80% no movimento a partir de quinta-feira, quando os paulistas descem para a Praia Grande”.

O comerciante Roberto Pereira da Cruz já adiantou as compras para evitar o movimento de quinta-feira. Ele gastou R$ 90 comprando tainha, sardinha e camarão. “Estou me adiantando porque na véspera fica muito cheio, mas vou voltar depois para comprar mais porque o dinheiro não deu”.