Pedido de expulsão dos apoiadores de França chega à Baixada Santista

Ontem, o presidente do Conselho Estadual de Ética e Fidelidade do partido, Raul Christiano, disse que já tinha em mãos o processo que pedia a expulsão do vereador Felipe Roma, de SV

Comentar
Compartilhar
10 OUT 2018Por Carlos Ratton08h20
Márcio França, candidato pelo PSB, foi recepcionado pelo prefeito Paulo Alexandre Barbosa no Paço MunicipalMárcio França, candidato pelo PSB, foi recepcionado pelo prefeito Paulo Alexandre Barbosa no Paço MunicipalFoto: Rodrigo Montaldi/DL

A decisão unilateral do Diretório Municipal do PSDB de São Paulo (Capital) de expulsar Alberto Goldman, ex-governador de São Paulo, o secretário estadual de Governo, Saulo de Castro, e mais 15 filiados por infidelidade partidária – alguns por se manifestaram em apoio ao governador e candidato à reeleição Márcio França (PSB) – acabou atingindo a Baixada Santista. Ontem, o presidente do Conselho Estadual de Ética e Fidelidade do partido, Raul Christiano, disse que já tinha em mãos o processo que pedia a expulsão do vereador Felipe Roma, o Rominha, de São Vicente.

Ontem mesmo, a Executiva nacional do PSDB se posicionou afirmando que “nenhuma instância partidária municipal tem competência para expulsar membros do diretório nacional ou estadual e que a decisão é arbitrária e inócua. Portanto, os membros seriam reintegrados à legenda.  

No entanto, no meio das discussões, segundo informação veiculada ontem na Rádio Bandeirantes, o candidato João Dória (PSDB) teria insinuado pedido de desfiliação dos demais tucanos que estão apoiando França (PSB), entre eles o prefeito Paulo Alexandre Barbosa. A rádio teria até mencionado a forte recepção que França teve na Prefeitura local, na última segunda-feira (8), repleta de tucanos, ex-tucanos, socialistas, sindicalistas, vereadores e todo o secretariado santista.

No Paço, França foi recebido pelo prefeito Paulo Alexandre (foto), que não se acanhou e gritou: “governador”. O governador destacou que o dia era especial e que fez questão de descer a serra para agradecer. Antes de falar, França pediu a presença do prefeito santista.

“Se for verdade, Dória precisa formalizar o pedido de expulsão à Comissão Executiva Estadual do PSDB-SP, que o submeterá a minha análise e dos demais membros do conselho”, disse Christiano. A Assessoria de João Dória não confirmou a informação e o coordenador da campanha do candidato na região, o prefeito Alberto Mourão, disse que não vai se manifestar pois não tem o amplo conhecimento da decisão de Diretoria Estadual do PSDB.  

Procurado pela Reportagem, Rominha disse ontem, por telefone, que recebeu a carta do pedido de expulsão, que já está preparando sua defesa e que continuará a apoiar França. “Nós do PSDB vicentino firmamos apoio ao Márcio e ao Caio França antes mesmo de Dória se lançar candidato. “Ele (Dória) tem esse postura de coronel. O PSDB de São Paulo não nos comunicou nada com relação a apoio. Eu montei o PSDB vicentino e, se o partido acha que não sou mais importante, que me expulse, mas vou manter minha palavra”, disse Rominha.

O prefeito Paulo Alexandre Barbosa e o presidente do PSDB de Santos, Flávio Jordão, não se manifestaram até às 19 horas de ontem, horário de fechamento da reportagem. O mesmo ocorreu com a Assessoria da campanha Márcio França. Em São Paulo, os expulsos podem recorrer às instâncias superiores do partido. A decisão foi aprovada na tarde desta segunda-feira (8) pelo presidente municipal da legenda, o vereador João Jorge, que ontem não foi encontrado pelo Diário.

Goldman foi expulso por apoiar a candidatura de Paulo Skaf e Castro a de França. Os demais filiados teriam apoiado Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência da República e não Geraldo Alckmin, que ontem criticou Dória numa reunião do partido.