Patrimônios imateriais compõe diversidade cultural da BS

Atualmente há 40 expressões registradas em todo território nacional

Comentar
Compartilhar
16 OUT 2017Por Rafaella Martinez11h30
Diversos grupos trabalham essa tradição cultural na Baixada SantistaFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Formas de expressão, manifestações, saberes e lugares: são muitos os bens imateriais registrados e catalogados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional(Iphan) no Brasil. A reverência às práticas e domínios da vida social que se manifestam em saberes, ofícios e modos de fazer; celebrações; formas de expressão cênicas, plásticas, musicais ou lúdicas; e nos lugares só foi possível a partir do momento em que a Constituição Federal de 1988, em seus artigos 215 e 216, ampliou a noção de patrimônio cultural ao reconhecer a existência de bens que não são apenas físicos.

Atualmente há 40 expressões registradas em todo território nacional. Exemplos dessas manifestações acontecem na Baixada Santista, tais como o jongo, a capoeira, o maracatu e o teatro de bonecos típico do nordeste. Outras formas de fazer cultural imaterial como a folia de reis e a pesca artesanal também são comuns na região.

Leia abaixo mais detalhes sobre cada uma dessas manifestações.

Reisado Sergipano

Manifestação tradicional entre o Natal e o Dia de Reis, O Reisado chegou em Guarujá 1964, trazido da pequena São Cristovão, cidade da região metropolitana de Aracajú. Foi lá que o saudoso mestre Zacarias conheceu e se encantou  com o cortejo de vestes coloridas que desfilava em comemoração ao nascimento do menino Jesus e em homenagem aos Reis Magos.

Em solo guarujaense, o Reisado ganhou novo formato e significado: o sapateado foi marcado pela referência indígena e as apresentações passaram a contar, além dos personagens tradicionais, com a presença de uma índia, uma baiana e uma cigana, representando a diversidade cultural da região. Hoje quem mantém viva a tradição é Edmilsom Epifânio Mendes.

Capoeira

O Ofício dos Mestres de Capoeira é exercido pelos detentores dos conhecimentos tradicionais dessa manifestação e responsáveis pela transmissão de suas práticas, rituais e herança cultural. Diversos grupos trabalham essa tradição cultural na Baixada Santista.

A Roda de Capoeira também é um elemento estruturante de uma manifestação cultural, espaço e tempo, onde se expressam simultaneamente o canto, o toque dos instrumentos, a dança, os golpes, o jogo, a brincadeira, os símbolos e rituais de herança africana - notadamente banto - recriados no Brasil.

Maracatu de Baque Virado

Em Santos, a tradição centenária se mescla com a cultura local e ressignifica espaços públicos do Centro Histórico, local de ensaio e sede da Associação Cultural Quiloa, primeiro grupo de Maracatu da Baixada Santista.

Inscrito pelo Iphan, em dezembro de 2014, no Livro de Registro das Formas de Expressão, o Maracatu de Baque Solto é uma expressão cultural e uma brincadeira popular que ocorre durante as comemorações do Carnaval e no período da Páscoa, tendo como personagem central o Caboclo de Lança.

Jongo

Uma das contempladas pelo prêmio de Boas Práticas de Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil pelo Iphan, a Associação Cultural Zabelê de Cubatão resgata há oito anos a tradição da dança brasileira de origem africana que influenciou na formação do samba.
O Jongo no Sudeste é uma forma de expressão afro-brasileira inscrita no Livro das Formas de Expressão em 2005.

Teatro de bonecos

O Teatro de Bonecos Popular do Nordeste foi inscrito no Livro de Formas de Expressão, em março de 2015 e é considerado como um bem imaterial que envolve a produção de conhecimento criativo, artístico e com uma forte carga de representação teatral.

A Cia Animalenda, de Itanhaém, mantém viva a tradição do teatro de bonecos. A bonequeira, Kely de Castro, é uma das poucas mulheres no ofício no Brasil.

Colunas

Contraponto