Passageiros defendem a volta dos cobradores

A volta dos cobradores de ônibus em Santos é praticamente remota no atual governo municipal, porém após quase duas décadas da extinção da função, usuários do transporte coletivo de Santos defendem a volta do funcionário que auxilia o motorista, além de co

Comentar
Compartilhar
22 MAR 201116h53

Há quase 20 anos a função de cobrador de ônibus foi extinta pela Viação Piracicabana, concessionária do transporte coletivo, em Santos. Na verdade, os cobradores deixaram de trabalhar dentro dos ônibus para vender passe nos pontos, usando um colete amarelo. A função mudou de nome, agora eles exercem a função de vendedores de passe e são expostos ao sol forte e à chuva e aos assaltantes. Eles também são popularmente chamados de “pikachús” por causa do colete. A empresa se vangloria do moderno sistema de cartão eletrônico, que as pessoas carregam os créditos e passam nas catracas eletrônicas dos circulares.

O Cartão Transporte facilitou a vida de muita gente, mas os motoristas continuam exercendo a dupla função de dirigir um ônibus com capacidade para mais de 40 passageiros sentados e cobrar as passagens. Nem todo mundo usa o cartão transporte ou os passes vendidos pelos “pikachús”. Há turistas que utilizam os coletivos de Santos e pessoas que eventualmente pegam os ônibus. Esses passageiros não têm cartão transporte, nem compram os bilhetes.

Além disso, tem os passageiros idosos, os quais os motoristas precisam conferir a identidade ou a carteira que dá direito à passagem livre. Até eles foram rotulados pejorativamente de ‘carterinhas’ por causa da pressão que é trabalhar dentro de um coletivo.

A dupla função já custou a saúde mental e física de muitos motoristas. Mas há quem ajude os motoristas e à Piracicabana, transformando o Cartão Transporte em moeda. É comum em Santos a prática de trocar os créditos do cartão por dinheiro. Em muitos pontos de ônibus de Santos, passageiro com dinheiro paga a passagem para uma pessoa que não é funcionária da Viação Piracicabana, sobe no ônibus com o Cartão Transporte dessa pessoa, passa o cartão na catraca eletrônica, desce e devolve o cartão.

Em entrevista ao DL, cuja matéria foi publicada na edição da última segunda-feira (21), o presidente da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET-Santos), Rogério Crantschaninov, descartou a volta dos cobradores porque isso poderia implicar num reajuste da tarifa acima de R$ 3.

“Eu acho que os cobradores têm que voltar sim. Os motoristas ficam muito sobrecarregados com a dupla função de cobrar e dirigir”, afirmou a carteira Cristiane Maria Pereira Monteiro. Sobre o argumento do presidente da CET-Santos, Cristiane respondeu que o aumento da tarifa “é uma desculpa”.

“Sou a favor que os cobradores voltem. A dupla função atrapalha os motoristas e tira emprego do pessoal”, afirmou a auxiliar administrativa Marisa Nascimento Silva. “Eu acho que os cobradores têm que voltar porque os motoristas estão sobrecarregados. Quanto a aumentar a passagem acima de R$ 3 se os cobradores voltassem é um absurdo porque uma das passagens mais caras é a de Santos”, disse o cinegrafista Hilton Marques Ferreira da Silva.

“Eu acho que os cobradores devem voltar porque isso vai diminuir, principalmente, os assaltos aos vendedores de passe, na rua. Além disso, às vezes o motorista não dá o troco porque tem que dirigir e cobrar a passagem. Já em relação à volta do cobrador não justifica o aumento da tarifa. A empresa não paga hoje os vendedores de passe? Eles deixariam de cobrar na rua para cobrar dentro do ônibus. Não justifica o aumento da tarifa acima de R$ 3”, comentou a contadora Jéssica de Lima.