Papo de Domingo: Na luta pela humanização do nascimento

O alto número de cesáreas no País preocupa o Ministério da Saúde e também um grupo de mães da Baixada Santista, que luta para levar mais informação às futuras mães

Comentar
Compartilhar
28 JUN 201422h33

Embora haja uma tendência mundial de aumento de cesáreas para a chegada dos bebês — em decorrência, conforme documento do Ministério da Saúde (MS), de melhor acesso aos sistemas de saúde, maior disponibilidade de tecnologias, melhoria das técnicas cirúrgicas e anestésicas, vantagens financeiras pelo custo e planejamento desse tipo de cirurgia e a percepção sobre a segurança de certos procedimentos — os países acendem o sinal vermelho quando a proporção chega a 30%.

Há cinco anos, o Brasil cruzou a linha dos 50% de partos por cesárea. E de lá para cá, só tem aumentado, distanciando-se cada vez mais dos 15% recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Considerada a maior pesquisa sobre parto realizada no país, Nascer no Brasil, divulgada recentemente pelo MS e pela Fiocruz, entrevistou 23.894 mulheres atendidas em maternidades públicas, privadas ou conveniadas ao Sistema Único de Saúde (SUS), entre fevereiro de 2011 e outubro de 2012. Foram coletados dados em 266 hospitais de 191 municípios, incluindo todas as capitais e cidades do interior de todos os estados. Os resultados comprovam que não há recuo nas cesáreas.

Quase um milhão de mulheres são submetidas a parto cirúrgico todos os anos, mesmo sem indicação médica adequada, inclusive adolescentes, cuja taxa atingiu 42%. Segundo a coordenadora da pesquisa, a epidemiologista Maria do Carmo Leal, não há justificativas clínicas para percentuais tão elevados. Essas cirurgias, continua, expõem as mulheres e os bebês a riscos desnecessários e aumentam os gastos do país com saúde. O estudo mostrou que quase 70% das entrevistadas desejavam o parto vaginal no início da gravidez, mas poucas são apoiadas nessa decisão durante a gestação e muitas são induzidas pelos próprios obstetras.

Considerada a maior pesquisa sobre parto realizada no país, Nascer no Brasil, divulgada recentemente pelo MS e pela Fiocruz, entrevistou 23.894 mulheres atendidas em maternidades públicas, privadas ou conveniadas ao Sistema Único de Saúde (SUS), entre fevereiro de 2011 e outubro de 2012 (Foto: Arquivo pessoal/Evellin Agria)

E é por ver estes números crescerem também na Baixada Santista que um grupo de mães criou o blog “Caminhando Para o Parto Normal”, com informações sobre as vantagens do parto normal. Segundo um levantamento feito pela Prefeitura de Santos, em 2012, cerca de 70% dos partos feitos em hospitais da Região são cesáreas.

Para este Papo de Domingo, a reportagem do Diário do Litoral entrevistou uma das criadoras do grupo, a doula Ellen Infante, e a obstetriz Driele Alia, que atua na maioria dos partos humanizados da Região. Você sabe o que faz uma doula e uma obstetriz? Você conhece o parto humanizado? Acha cabível ter um filho em casa nos dias de hoje, com tanta tecnologia? Leia o que as profissionais têm para dizer.

Ellen Infante, doula

Diário do Litoral - Qual curso precisa ser feito para ser uma doula?

Ellen Infante - Um curso livre de formação de Doulas. Só tem em São Paulo, no GAMA ou na Casa Moara. Qualquer pessoa pode fazer, não é necessário ter nenhum tipo de formação anterior, embora a maioria tenha.

DL - Qual a função da doula dentro de um parto humanizado?

Ellen - Doula é o nome dado à profissional que conhece e compreende a fisiologia do parto, além de ser capacitada a oferecer suporte físico e emocional (não medicamentoso) na assistência ao parto. Sua atuação abrange várias etapas desse processo: gestação (pré-parto), trabalho de parto e puerpério (pós-parto). Durante a gestação a doula oferece suporte emocional, esclarecendo dúvidas (da gestante e do acompanhante) sobre a gestação, trabalho de parto, puerpério, auxilia também na preparação para o parto através de exercícios físicos e respiratórios além de massagens. Durante o trabalho de parto, a doula estará sempre ao lado da parturiente oferecendo apoio emocional, propondo medidas de conforto (banhos, massagens, orientando à respiração e posições maios confortáveis e favoráveis, entre outros), e também oferecendo apoio ao acompanhante. No hospital, a doula é a única profissional que garante assistência personalizada e contínua à parturiente. No puerpério a doula orienta quanto à amamentação e cuidados com o bebê. Lembrando que a doula não realiza qualquer procedimento médico, portanto, não substitui os profissionais tradicionalmente envolvidos na assistência ao parto e nem tão pouco substitui o acompanhante.

(Foto: Divulgação)

Cada doula pode ter uma formação específica e somar dentro do trabalho, eu, por exemplo, sou fisioterapeuta e acupunturista, por isso avalio e oriento exercícios perineais, além de realizar acupuntura se assim a gestante desejar.

DL - Desde quando você faz está função?

Ellen - Estou nessa função há três anos, formei como doula em 2011.

DL - As doulas trabalham só em partos humanizados domiciliares ou também em partos em hospitais?

Ellen - Em partos hospitalares também, embora nem todos permitam nossa entrada. Infelizmente, dependerá do hospital e do médico que atende a gestante, em alguns casos só existe a possibilidade de entrar um acompanhante, daí a parturiente deverá escolher quem entrará com ela.

DL - Você acredita que o número de gestantes adeptas ao parto humanizado irá aumentar na Baixada?

Ellen - Estamos torcendo e caminhando para isso. O número de gestantes adeptas já está aumentando, mas infelizmente o número de médicos adeptos não é inversamente proporcional.

DL - O que, na sua opinião, ainda precisa ser feito por autoridades, médicos e, até mesmo, gestantes?

Ellen - Precisam primeiramente respeitar e seguir as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), e se algum órgão fiscalizasse de modo a “obrigar” que essas recomendações fossem cumpridas pelos hospitais e médicos, já seria meio caminho andado. Além da criação de mais Casas de Partos. As gestantes precisam se informar, “correr atrás” de informações, estudar, e por conta própria, pois infelizmente ainda são pouquíssimos os médicos que oferecem informações sobre o parto humanizado.

DL - O que você diria para as mães que ainda estão em dúvida na hora de escolher o tipo de parto?

Ellen - Que o normal, só tem esse nome por ser normal, ser fisiológico. Não tenha medo, seu corpo foi feito para isso, seu corpo sabe como fazer, sabe como permitir um nascimento, mas se informe e trabalhe bem sua cabeça, ela é a única que pode atrapalhar seu corpo nesse processo. Parto só existe um, que é o natural, outra via é cirurgia. Que quando bem indicada salva vidas, o problema é que não tem sido bem indicada.

 

Driele Alia, obstetriz

DL - Qual curso precisa ser feito para ser uma obstetriz?

Driele Alia - Atualmente, o curso de graduação que forma as obstetrizes é oferecido apenas pela Universidade de São Paulo (USP), no campus da zona leste de SP. O curso tem duração de 5 anos, com aulas teóricas e práticas, e estágio supervisionado obrigatório. O vestibular é organizado pela Fuvest.

DL - Qual a função da obstetriz dentro de um parto humanizado?

Alia - A obstetriz é capacitada para atender as consultas pré-natais, acompanhar o trabalho de parto e o parto normal, identificar e solucionar possíveis emergências pré-parto, intraparto, e pós-parto, prestar assistência pós-parto e acompanhar o bebê no período perinatal e neonatal. Este profissional pode atuar de forma autônoma ou em equipes multiprofissionais integradas.

DL - Desde quando você faz está função?

Alia - Exerço a profissão há dois anos aqui na Baixada Santista.

DL - Qual a importância da função em um parto humanizado?

Alia - Esse profissional representa um importante recurso para prover cuidados de saúde humanizados às mulheres, recém-nascidos e familiares, preservando e resgatando a normalidade no processo do nascimento. Dentro do contexto do parto propriamente dito, cabe à obstetriz mostrar para as mulheres todos os benefícios de um parto natural, fazendo com que possam acreditar que elas têm a capacidade de dar à luz a seu filho de um modo natural, proporcionando um parto que possa representar uma experiência prazerosa. Dentro das instituições de saúde, poderá auxiliar nas mudanças de práticas por preconizar o parto normal, mantendo atitudes que o promovam e o protejam, ajudando a reduzir os custos e os índices de partos operatórios e de intervenções desnecessárias.

DL - Qual a diferença entre uma obstetriz e uma obstetra?

Alia - A formação da obstetriz é deliberada pela graduação do curso de Obstetrícia da Universidade de São Paulo (Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP), este profissional é capacitado para acompanhar gestações e partos de baixo risco. A formação do Obstetra depende da graduação em Medicina e posterior especialização na área de Obstetrícia, este profissional é capacitado para acompanhar gestações e partos de baixo e alto risco.

DL - Tem algum caso especial (em partos) que possa nos contar?

Alia - Todos são inesquecíveis e cada um traz um aprendizado diferente e uma lembrança especial. Quando se trabalha com partos humanizados, abre-se espaço para viver experiências com participação ativa de toda a família, momentos de transformação e superação das mulheres. Isso é maravilhoso. A verdadeira obstetrícia praticada pelos profissionais da área deveria ser como o próprio significado do nome diz: estar ao lado. E apenas isso. Deixar que o parto seja comandado pela mulher, que é a dona desse processo.

(Foto: Divulgação)

DL - Você acredita que o número de gestantes adeptas ao parto humanizado irá aumentar na baixada?

Alia - O número de gestantes adeptas ao parto humanizado tem crescido de uma forma geral, em todos os lugares do mundo. Atualmente, voltamos a adotar hábitos de vida mais simples e naturais, e a busca por partos naturais e humanizados entra nessa linha. Há muito que se mudar na Baixada Santista no que diz respeito a recursos e estruturas das instituições de saúde para oferecer subsídios à prática do parto humanizado. Como solução, muitas gestantes tem buscado parir em hospitais de outras cidades, casas de parto (que ainda não temos por aqui) e partos domiciliares assistidos. Mas sem dúvidas, a tendência é que a procura aumente sim, até porque este tema tem conquistado mais espaço na mídia, e com isso os mitos são derrubados e as informações reais são difundidas.

DL - O que, na sua opinião, ainda precisa ser feito pelas autoridades, médicos e até mesmo as gestantes?

Alia - O Brasil vive um momento de índices altíssimos de cesáreas desnecessárias, violências obstétricas e índices assustadores de morbidade e mortalidade materna e fetal decorrentes do parto. Para mudar este quadro, é necessário mudar muitas coisas, inclusive de cunho cultural, o que torna essa mudança mais difícil. No entanto, é imprescindível melhorar a promoção do parto normal nas instituições de saúde, modificar o preparo dos profissionais durante a faculdade de forma a priorizar o parto natural e humanizado, exercer a Medicina Baseada em Evidências, desenvolver novas políticas públicas relacionadas ao tema, investir na mudança da qualidade do pré-natal bem informado e etc.

DL - O que você diria para as mães que ainda estão em dúvida na hora de escolher o tipo de parto?

Alia - Diria para buscarem o máximo de informações sobre o assunto, inclusive com profissionais humanizados da área e outras mulheres que viveram diferentes experiências. Infelizmente, no Brasil é preciso lutar e estar muito bem informado para conseguir parir com respeito e segurança. É preciso escolher bem onde, como e com quem contar. E diria para que nunca deixem de acreditar em seus corpos e suas capacidades de parir.

Experiências de parto humanizado

O melhor caminho para que a mulher contribua no resgate do seu papel de protagonista no trabalho de parto, parto e pós-parto é a informação. Essa é a aposta do Ministério da Saúde, que deve lançar após o período da Copa a nova Caderneta da Gestante. Com dicas e cuidados a serem observados desde a descoberta da gravidez, a caderneta traz uma série de orientações importantes, de direitos assegurados em lei a serviços oferecidos pela rede do SUS, como testes para identificar HIV e sífilis, até quadro comparativo entre cesárea e parto normal, além de divulgar o número 180 como canal para as denúncias contra a violência obstétrica.

Essa é mais uma iniciativa do governo para estimular a humanização do parto. Em 2011, a Rede Cegonha sistematizou e institucionalizou um modelo de atenção ao parto e ao nascimento, com base em discussões e experiências que se desenvolvem desde a década de 80. O modelo que se almeja, segundo a coordenadora-geral de Saúde da Mulher do MS, Maria Esther Vilela, é o do Hospital Sofia Feldman, em Belo Horizonte (MG).

Documentário de aproximadamente uma hora, divulgado pelo ministério, mostra que é possível entrosar médicos e enfermeiras obstetras, doulas comunitárias e agentes de saúde. O Sofia Feldman possui um conselho integrado não só por médicos, enfermeiras e administradores da instituição, como também por representantes da comunidade. Os depoimentos evidenciam que há um controle social dos recursos e dos gastos da instituição, totalmente voltada para a humanização do parto e do nascimento.

De acordo com o modelo preconizado pela Rede Cegonha, o Sofia Feldman possui Centro de Parto Normal (CPN), onde enfermeiras obstétricas (podendo também ser obstetrizes) atendem os partos de baixo risco. Todo o ambiente é projetado para oferecer bem-estar e tranquilidade às gestantes, com recursos para ajudar a aliviar a dor durante o trabalho de parto, como banhos de banheira e chuveiro, massagens e caminhadas. No CPN do Feldman até escalda-pés com plantas medicinais são oferecidos, por sugestão da própria comunidade.