X
Cotidiano

Papo de Domingo: 'Cálculos do reajuste do IPTU são ilegais'

Quem afirma é Luis Fernando Camargo Guimarães, engenheiro civil e perito judicial

Luis Fernando Camargo Guimarães está inconformado com o que boa parte das prefeituras da região está fazendo com o contribuinte / Rodrigo Montaldi/DL

Luis Fernando Camargo Guimarães é engenheiro civil, perito judicial e inconformado com o que boa parte das prefeituras da Baixada Santista está fazendo com o contribuinte: usando índices errados para justificar o reajuste do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). “O imposto tem que ser justo e não condicionado ao valor de mercado”, afirma. Confira os principais trechos:      

Diário do Litoral – Existe um ‘equívoco’ com relação aos aumentos do IPTU de Santos?
Luís Fernando Guimarães – Brutal. Não se pode confundir reajuste com aumento. O reajuste foi feito em 2013, quando a Planta Genérica de Valores foi reajustada. De lá para cá, vários aumentos foram realizados por decreto, o que é ilegal. A Prefeitura não pode aumentar o IPTU por decreto. Só poderiam ser feitos por lei, após discussão em audiências públicas e aprovação da Câmara. Uma lei só pode ser alterada por outra lei. Estão calculando o aumento do IPTU pelo valor de mercado imobiliário e isso não poderia estar ocorrendo e pode ser objeto de ações na Justiça para recuperar o que já foi pago.

Diário – Como é definido o valor do IPTU?
Guimarães –
O IPTU é cobrado com base no valor venal do imóvel, que é estipulado baseado em questões técnicas de engenharia, que segue as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). O valor é composto por dois fatores. O primeiro é definido pela Planta Genérica de Valores, que informa o valor limitado do terreno – metro quadrado. A esse valor é somado o valor da construção – que também é um critério de ­engenharia.

Diário – Resumidamente, valor do terreno mais o de construção?
Guimarães –
Sim. Mas tem também a depreciação, em que é levado em consideração tempo, manutenção e outros itens. Isso tudo sempre foi feito e obrigatoriamente tem que ser feito pelo Setor de Engenharia dos municípios. O cálculo então é o valor do terreno mais o de construção, não podendo ultrapassar 80% do valor de marcado. Esse é o conceito básico do cálculo do IPTU.

Diário – Diferente disso é ilegal?
Guimarães –
Sim, o cálculo não pode estar condicionado a nenhum índice, como Índice Geral de Preço de Mercado (IGP-M) ou inflação, porque os imóveis não são anualmente corrigidos. A aplicação de índices anualmente do IPTU configura aumento e a alteração da base de cálculo definida no Código Tributário Municipal, que é claro quando determina que o valor do IPTU é terreno mais construção. Reajustar baseado em índices e sem justificativa não tem fundamento e amparo técnico e legal. Ou seja, é ilegal.

Diário – As prefeituras que adotarem índices que não seja o mencionado por você estão erradas?
Guimarães –
Ilegais e podem ser cobrados reembolso pela Justiça. Santos, por exemplo, em 2017 aumentou o IPTU em 7%. Agora, quer aumentar mais 3%. Qual o imóvel na Baixada Santista que teve um aumento de valor de marcado de 10% em um ano? Ou seja, o que está sendo feito é ilegal, irreal e imoral. Não tem amparo técnico.

Diário – Mas os engenheiros das prefeituras não sabem disso?
Guimarães –
Não sei porque motivo essa questão em Santos foi tirada do Setor de Engenharia e foi parar no Setor Fiscal. São os fiscais, sem amparo técnico de engenharia, é que se responsabilizam pelos cálculos. E quando você vai questionar o padrão construtivo, por exemplo, onde há uma total disparidade, quem vai reavaliar o imóvel é um fiscal da receita e não um engenheiro. Isso não tem sentido. Os critérios são só de mercado e não baseados na ABNT.

Diário – Então os valores dos imóveis são altos e irreais?
Guimarães –
Posso garantir que os imóveis novos de Santos, de 2013 para cá – quando a Planta Genérica foi atualizada – estão bem acima do valor de mercado, consequentemente, o IPTU também. Está virando moda subir o imposto baseada em índices irreais. O coeficiente de aproveitamento das edificações foi alterado.

Diário – Mas o que fazer para corrigir isso?
Guimarães –
Se for reclamar na Prefeitura, vai cair nas mãos de um fiscal, que vai indeferir o pedido de correção do valor do IPTU. Na Justiça, esse tipo de ação não é barata, pois é necessário a contratação de advogado e engenheiro para fazer uma perícia. As pessoas, então, estão absorvendo o reajuste.

Diário – Mas a Associação dos Engenheiros e Arquitetos não viu isso?
Guimarães –
Tem muito engenheiro ocupando cargo comissionado na Prefeitura. Tem uma lista grande. Não é conveniente abrir essa discussão. A Câmara (vereadores) também não faz nada para mudar isso. Só uma ação civil pública, só o Ministério Público (MP) talvez resolveria a questão. Em São Vicente, um partido (PSOL) está questionando o reajuste amparado pelo possível trâmite ilegal na Câmara e não pelo lado técnico.

Diário – Estão rasgando o Código Tributário?
Guimarães –
Sim e ele é claro: o valor do IPTU calculado pelo valor venal que por sua vez é a soma do valor do terreno com o da construção. Estão criando uma maneira de aumentar imposto. A inadimplência tira bem de família e em Santos existem mais de 20 mil imóveis sendo executados. Quem ganha com isso são os procuradores da Prefeitura, com a verba de sucumbência. Essa é uma caixa-preta que ninguém quer abrir. Eu denunciei isso na Ouvidoria e não obtive resposta. Estou à disposição para debater esse equívoco com qualquer um. Quero que me digam como se chega aos valores unitários da tabela dos imóveis na construção civil. O imposto tem que ser justo e não ­condicionado ao valor de mercado.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Praia Grande

Golfinho é encontrado morto na orla de Praia Grande

Mamífero foi encontrado em avançado estado de decomposição por um pescador, que acionou as autoridades

Polícia

Câmera registra 1º caso de PMs de SP matando suspeito desarmado

Existem ainda outros dois casos semelhantes em andamento sendo analisados, mas ainda sem conclusão

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software