Papéis de Bin Laden têm cartas e formulário para aspirantes ao terrorismo

O material inclui vídeos e imagens de cartas em árabe, com as traduções em inglês dos agentes de inteligência

Comentar
Compartilhar
20 MAI 201517h19

Durante os vários anos em que vivia escondido, Osama bin Laden pedia a seus seguidores que se concentrassem em atacar os norte-americanos e escrevia cartas agridoces para uma de suas mulheres e seus filhos, segundo documentos divulgados nesta quarta-feira por funcionários de inteligência dos Estados Unidos.

Os documentos foram apreendidos no local onde vivia o líder da Al-Qaeda, na operação em que Bin Laden foi morto. Mais de 100 deles foram publicados. A documentação conta com um questionário para os aspirantes ao terrorismo, incluindo questões sobre a educação e os hobbies, além da questão sobre se "você gostaria de executar uma operação suicida?".

No total, os 103 papéis e vídeos acrescentam novas camadas à figura mundial do cérebro dos ataques terroristas de 11 de setembro, muitas delas com as próprias palavras dele. O material inclui vídeos e imagens de cartas em árabe, com as traduções em inglês dos agentes de inteligência.

O material foi recolhido em maio de 2011, no local onde Bin Laden vivia em Abbottabad, no Paquistão, segundo o Escritório do Diretor de Inteligência Nacional. Tudo só foi divulgado após uma rigorosa revisão pelas agências do governo, como exigido por uma lei de 2014.

Autoridades norte-americanas disseram na ocasião da morte que acreditavam que Bin Laden havia ficado tão isolado em seu esconderijo que já não exercia o nível de controle sobre as operações da Al-Qaeda que havia tido no passado.

Papéis de Bin Laden têm cartas e formulário para aspirantes ao terrorismo (Foto: Divulgação)

Em uma carta, Bin Laden pede a um de seus vices para informar "nossos irmãos" para que mantenham o foco em enfrentar os norte-americanos. Em outra, o líder extremista ironiza a "guerra ao terror" do então presidente norte-americano George W. Bush, dizendo que não havia estabilidade nem no Iraque nem no Afeganistão e questionando se as tropas dos EUA estavam "buscando o fantasma perdido" - as armas de destruição em massa no Iraque. Não há data na tradução para o inglês.

Em uma carta registrada em vídeo para uma de suas viúvas, Bin Laden falou sobre seu "último desejo". "Saiba que você preenche meu coração com amor, memórias bonitas e seu prolongado sofrimento em situações tensas a fim de me agradar e ser boa para mim", escreveu.

No formulário para aspirantes ao terror, é pedido que o candidato "por favor escreva claramente e de maneira legível". São feitas perguntas convencionais, como se o candidato foi condenado por algum crime, antes de questioná-lo sobre "quais objetivos você gostaria de alcançar no caminho da jihad?". Também se questiona se o candidato deseja executar uma missão suicida. E, por fim: "Quem nós devemos contatar, no caso de você se tornar um mártir?".