Pane na Vivo deixa milhares sem comunicação

Problema durou seis horas e meia; comércio, bancos e o Poupatempo paralisaram os serviços

Comentar
Compartilhar
12 DEZ 201310h18

Nada de telefone, nada de bancos, nada de compras com cartão de débito ou crédito, muito menos acesso à internet. Uma pane na operadora Vivo, por conta de um rompimento em duas rotas de fibra ótica, ontem, dificultou a vida de usuários dos serviços de voz, SMS e banda larga fixas e móveis.

O serviço foi normalizado por volta das 16h30. De acordo com a empresa, os problemas começaram por volta das 10 horas e, desde então, as equipes técnicas da operadora tentaram fazer os reparos necessários no menor prazo possível.

A pane afetou a maioria das agências bancárias. A reportagem do Diário do Litoral averiguou no Centro de Santos que apenas a agência do Bradesco estava funcionando normalmente. As casas lotéricas também não foram afetadas.

“Estou aqui desde as 10h15. Eles nem informam quando vai voltar o sistema. Meu marido perdeu um dia de trabalho para resolver um problema no banco e eu nem sei se vamos conseguir resolver”, reclamou a dona-de-casa Alessandra Pelicas Santos, que precisava ser atendida pelo Banco Itaú. “Eu estou esperando há mais de duas horas. Estou de férias e quero descontar um cheque, mas nem sei o que fazer, ninguém informou nada”, explicou o vigilante Nilton Bezerra. Um funcionário da agência bancária saiu para explicar a situação e chegou a dizer que o problema era de nível nacional.

Clientes de agências esperaram o sistema normalizar, mas o serviço só retornou às 16h30 (Foto: Matheus Tagé/DL)

O comércio também sofreu com a falta de comunicação. As máquinas de cartão de débito e crédito não funcionaram. “Já perdemos várias vendas hoje porque a máquina não funciona. Estamos sem telefone, sem internet e sem previsão de quando a comunicação retornará”, explica a operadora de caixa de uma loja de roupas, Taís Aline Santana. Os serviços do Poupatempo também estão parados por conta do problema e foram reagendados para outros dias.

Anatel

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informou, por meio de nota, que as interrupções do serviço na Baixada Santista ainda estão em Processo de Apuração de Descumprimento de Obrigações (Pado), que podem sujeitar a empresa a sanções administrativas.

Para a Anatel, a Vivo informou que houve rompimento duplo na rede óptica localizada em Praia Grande e na Vila Mariana, na Capital. Segundo a agência reguladora, o problema pode ter sido causado pela degradação de um equipamento conhecido como DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing).

Procon-SP

A Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, notificou ontem a operadora Vivo para prestar esclarecimentos sobre as falhas na rede de telefonia móvel, fixa e internet na região da Baixada Santista, abrangendo toda a área de DDD 13.

A empresa terá que explicar os motivos das falhas, quais foram os serviços afetados, número de consumidores prejudicados e quais providências serão adotadas para a devida compensação dos usuários, independentemente da solicitação destes.

“Vale ressaltar que tais informações já deveriam ter sido prestadas voluntariamente pela empresa por meio de todos os canais disponíveis, especialmente por meio do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC), em atenção ao princípio da transparência que deve nortear as relações de consumo”, informou o Procon-SP. Se ficarem comprovadas irregularidades, a empresa poderá ser penalizada nos termos do Código de Defesa do Consumidor.

A partir de 30 minutos de interrupção do serviço, o consumidor tem o direito ao abatimento proporcional do valor da assinatura (um dia de interrupção = um dia de desconto). Se o problema atingir, no mínimo 10% da base de clientes, a operadora (de telefonia fixa ou móvel) deve fazer ampla divulgação sobre o ocorrido.