Outubro e novembro são meses bons para entregar currículos

Segudo dados da Associação Brasileira do Trabalho Temporário, comércio e indústria devem gerar 434.429 vagas temporárias em todo o país

Comentar
Compartilhar
03 OUT 2018Por Vanessa Pimentel08h00
O fim do ano pode trazer uma oportunidade de emprego, mesmo que temporária, no comércio e serviçosO fim do ano pode trazer uma oportunidade de emprego, mesmo que temporária, no comércio e serviçosFoto: Rodrigo Montaldi/DL

O fim de 2018 pode trazer uma oportunidade de emprego, mesmo que temporária, no setor do comércio e serviços em decorrência do aumento das vendas para o Dia das Crianças, Natal e Ano Novo. A previsão, de acordo com dados da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (ASSERTEM), é de que juntos, comércio e indústria gerem 434.429 vagas temporárias em todo o país.

O número representa um aumento de 10% nas contratações em relação a 2017 e é estimulado especialmente pelos segmentos farmacêutico, alimentício, químico e agroindustrial. São Paulo lidera o ranking com 67,27% das vagas, trazendo o Paraná em segundo, com 7,41% e o Rio de Janeiro em terceiro, com 5,89%.

“Outubro e dezembro são os meses em que o varejo mais contrata no ano, seja para vendas diretas ou para a área de logística”, explica Camilla Ortega, especialista em RH da Luandre, consultoria que atende empresas de todo o Brasil.

De acordo com a consultoria, a indústria já vem contratando desde agosto e deve seguir assim em outubro. Para quem está de olho no comércio, agora é a hora de sair com currículos em mãos, já que até dezembro o setor contrata.

Desemprego diminui

Segundo a última PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego no Brasil caiu para 12,1% no trimestre encerrado em agosto – é a quinta queda mensal seguida e trata-se da menor taxa de desemprego registrada no ano, sendo o contingente de desempregados 4% menor que o registrado no trimestre encerrado em maio (529 mil pessoas a menos).

A alteração na lei trabalhista, em vigor desde abril de 2017, é um dos fatores apontados para a alta nas contratações temporárias, já que amplia o prazo do contrato para até 180 dias, podendo ser prorrogado por mais 90 dias, se a empresa considerar interessante.

“A oportunidade temporária pode ser uma porta de entrada para um emprego efetivo na empresa. Na Luandre registramos taxa de 40% de efetivação destes trabalhadores”, destaca Camilla.