X
Cotidiano

Outeiro e Frontaria abandonados em Santos

A Fundação Arquivo e Memória de Santos (Fams) encerrou, por tempo indeterminado, as atividades em ambas as edificações por estarem oferecendo perigo aos visitantes

A Reportagem não conseguiu entrar no imóvel, mas a contar pela aparência externa, a situação internamente não deve ser nada diferente. / Rodrigo Montaldi/DL

As pessoas que utilizam o Bonde Turístico de Santos devem ficar de certa forma constrangidas ao ouvir a história do Outeiro de Santa Catarina, no Centro, e virem, ao mesmo tempo, a situação a qual se encontra a edificação. O marco de fundação da Cidade é o verdadeiro retrato do abandono. Com lixo espalhado por todos os lados, mato alto, bancos apodrecendo, escadarias semidestruídas, totens, placas e fachadas corroídas e pichadas, folhas crescendo entre a alvenaria do imóvel, postes e portões enferrujados e até quadros de luz violados, estão entre os problemas externos. A Reportagem não conseguiu entrar no imóvel, mas a contar pela aparência externa, a situação internamente não deve ser diferente.

Idêntica é a decadência de outro equipamento histórico. A Casa da Frontaria Azulejada, também no Centro, está fechada e já apresenta reflexos do abandono da interna para a externa, em que plantas brotam por entre orifícios do cimento e canos responsáveis por drenar água da chuva. Há ferrugem nas janelas e as portas estão riscadas e com sinais de apodrecimento.        

Informações obtidas extraoficialmente pela Reportagem dão conta de que, por ambos equipamentos estarem oferecendo perigo aos visitantes, a Fundação Arquivo e Memória de Santos (Fams) encerrou, por tempo indeterminado, as atividades em ambas as edificações. Um problema comum dos prédios seriam infestação de cupins no madeiramento e telhados destruídos e condenados. Procurada, a Fams não se manifestou sobre a situação.

O Outeiro de Santa Catarina fica na Rua Visconde do Rio Branco, 48. Ele foi o sítio das duas capelas consagradas à Santa Catarina de Alexandria, a primeira erguida por iniciativa de Luís de Góis e sua esposa, Catarina de Aguillar, e que constituiu o núcleo inicial da vila de Santos no século XVI. Alicerçada sobre rocha, a edificação desenvolve-se em três níveis ligados por escadarias, acomodando-se à topografia do terreno. Portas e janelas em ogiva, bem como ameias e merlões dos muros produzem o feitio de castelo.

Supõe-se que a arquitetura se deva à origem de João Éboli, médico que a teria mandado construir inspirado nas edificações medievais da região em que nascera, na Itália.

Quando o corsário inglês Thomas Cavendish saqueou a vila em 1591, a capela foi saqueada e a imagem da sua santa lançada ao mar. Em meados do século XVII, a imagem foi resgatada das águas por escravos e, em 1603, iniciou-se a construção de uma nova estrutura, desta vez no topo do outeiro.

Esta segunda capela acabou demolida entre 1880 e 1884. O Outeiro também foi diminuído, por conta da utilização de suas pedras para o calçamento das ruas da cidade. No que sobrou do pequeno morro, foi construída uma casa acastelada pelo médico italiano João Éboli (isso no final do século XIX). Tombado em 1985 e reformado pela Prefeitura Municipal de Santos em 1992, atualmente pertence à Fundação Arquivo e Memória de Santos. Ele foi inserido no Projeto de Revitalização do Centro Histórico, desenvolvido pela Prefeitura a partir de 1997 e, em 2000, ganhou uma praça.

Casa da Frontaria fechada  

Uma das mais significativas obras arquitetônicas de Santos, a Casa da Frontaria Azulejada - Rua do Comércio 121 - foi construída em 1865 para residência e armazém do comendador português Manoel Joaquim Ferreira Netto (1808-1868). Desde 2007, o prédio funciona como espaço cultural, onde são realizadas exposições, eventos beneficentes e espetáculos culturais. Além disso, serve frequentemente como locação para filmagens de propagandas, novelas, minisséries e filmes de curta e longa metragens.

Sete mil azulejos em alto-relevo, importados de Portugal, revestem a fachada do prédio, de influência neoclássica, característica do Segundo Império. Mais do que uma questão estética, a colocação de azulejos, naquele tempo, tinha como objetivo assegurar vedação eficiente e evitar muitas pinturas.

A porta principal, bastante larga, permitia o acesso de carruagens ao interior do imóvel. O andar superior abrigava, originalmente, a residência da família. Construído com pedras, óleo de baleia, saibro, pisos e forros de madeira, o prédio foi concebido em forma de “U”, com abertura voltada para o mar, o que facilitava o processo de carga e descarga das mercadorias desembarcadas nos antigos trapiches. Com o aterramento da parte posterior da casa para a construção dos primeiros armazéns do cais, em 1892, abertura da Rua Tuiuty e novas edificações, esse acesso para cargas deixou de existir.

Com a morte de Ferreira Netto, em 1868, a casa passou por mudanças funcionais. Durante muitos anos, funcionou no térreo um armazém e, no andar superior, um escritório de café. Já entre 1940 e 1960, o sobrado foi transformado no Hotel Guanabara e depois, em um depósito de adubos químicos, o que degradou bastante a construção, sobretudo internamente. Em 1973, o prédio foi tombado pelo Iphan (nível federal). Em 1987 e 1990, vieram também os tombamentos pelo Condephaat (estado) e Condepasa (município), respectivamente.

Em 1986, quando foi desapropriada pela Prefeitura, a casa estava semidestruída, sem o teto e o piso superior. A recuperação da fachada aconteceu em 1992, com a devolução da estrutura original da porta principal e dos azulejos, restaurados ou reproduzidos. Realizado pelo artista plástico Luís Sarasá, o trabalho constituiu tarefa artesanal, cujo resultado contabilizou sete mil peças novas. Desde dezembro de 2007, o sobrado vinha abrigando o Espaço Cultural Frontaria Azulejada, idealizado para receber atividades culturais e apresentações musicais de caráter intimista.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

ELEIÇÕES 2022

Janones critica 'arrogância' de discurso da esquerda no Twitter

'Arrogância de setores da elite intelectual não lhes permite compreender que João Gomes forma mais opinião que Chico e Caetano', escreveu

Meio Ambiente

Desmatamento na Amazônia caminha para se tornar incontrolável, dizem especialistas

Com os níveis atuais de desmatamento registrados -com diversos meses com destruição amazônica acima dos 1.000 km²-, os compromissos climáticos internacionais do Brasil podem ficar em xeque, especialmente a redução da emissão de gases-estufa

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software