Banner gripe

Operação Verão terá mesmo efetivo da temporada passada

A garantia foi dada ontem pelo secretário estadual da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho

Comentar
Compartilhar
03 OUT 2017Por Da Reportagem10h30
A Operação Verão deve começar no dia 20 de dezembro e acabar após o CarnavalFoto: Divulgação/Prefeitura de Santos

A Operação Verão 2017/2018 terá o mesmo efetivo da última edição, quando a Baixada Santista ganhou o reforço de 1.842 policiais. A garantia foi dada ontem pelo secretário estadual da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, em reunião realizada em Praia Grande com os prefeitos da região. A Operação Verão deve começar no dia 20 de dezembro e acabar após o Carnaval.

No último dia 28, a possibilidade de haver redução no efetivo foi tratada em reunião do Conselho de Desenvolvimento Metropolitano da Baixada Santista (Condesb). No encontro, o presidente do Condesb, o prefeito Alberto Mourão, se mostrou preocupado e havia destacado a necessidade de liberação de recursos para garantir a segurança e tranquilidade dos munícipes e turistas que visitam a região no verão.

O subsecretário de Assuntos Metropolitanos do Estado de São Paulo, Edmur Mesquita, comprometeu-se em agendar uma reunião com o secretário de Estado da Segurança Pública para aprofundar a questão. Mas na reunião de ontem, Barbosa Filho disse que “não haverá qualquer alteração no efetivo usado diariamente na Operação Verão”

Sargentos

Ele detalhou que 1.017 policiais que se formam como sargentos atuarão no reforço policial e o contingente será completado pelos policiais que poderão trabalhar para o Estado quando estiverem de folga. De acordo com Barbosa Filho, os novos sargentos são profissionais experientes, com pelo menos 15 anos de carreira, e que na jornada extraordinária será dada preferência aos policiais militares da região, por já conhecerem o litoral.

Distritos

Outro assunto discutido na reunião entre o secretário e os os prefeitos foi a questão do suposto fechamento de distritos policiais em Mongaguá e Peruíbe. Segundo Mágino Alves, não houve fechamento, mas sim, remanejamento de pessoas que atuavam nestes postos para anexos de delegacias sede de cada uma das cidades. O secretário disse que se reunirá com as prefeituras das duas cidades para avaliar a situação.

Colunas

Contraponto