ONU diz que mortos em conflito na Síria passam de 60 mil

Há quase dois anos o país vive em clima de guerra por conta da disputa de poder entre aliados de Bashar Al Assad e a oposição.

Comentar
Compartilhar
02 JAN 201316h03

A alta comissária de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU), Navi Pillay, disse nesta quarta-feira (2) que o número de mortos nos conflitos na Síria ultrapassou 60 mil pessoas. Há 21 meses a Síria vive em clima de guerra devido à disputa de poder entre aliados do presidente sírio, Bashar Al Assad, e a oposição.

Segundo Navi Pillay, os dados se referem a um levantamento que considerou sete fontes diferentes de informação. A alta comissária disse que o número exato de mortes desde o início da revolta até novembro de 2012 é de 59.648.

Porém, de acordo com Pillay, com os assassinatos ocorridos em dezembro, o número deve passar de 60 mil. A nova estimativa divulgada pela ONU é superior à estimativa de 45 mil mortos que vinha sendo divulgada pela oposição.

Há, ainda, informações que mulheres e crianças também são vítimas da violência no país. (Foto: AP)

Os conflitos na Síria geraram reações por parte da comunidade internacional. A presidenta Dilma Rousseff apela para o respeito aos direitos humanos e a busca por uma solução negociada, sem ingerência externa.

Paralelamente, o governo de Assad sofre sanções de parte da ONU. Há, ainda, informações que mulheres e crianças também são vítimas da violência no país. Prisões indevidas e torturas são denunciadas.